Saúde Dor para urinar e sangramento podem ser sinais de câncer de próstata

Dor para urinar e sangramento podem ser sinais de câncer de próstata

Doença é silenciosa em estágio inicial e chance de cura nessa fase é de 85%

  • Saúde | Vanessa Sulina, do R7

Exames são única alternativa para descobrir câncer de próstata

Exames são única alternativa para descobrir câncer de próstata

Thinkstock

Um em cada seis homens deverá ter câncer de próstata. Segundo dados do Inca (Instituto Nacional do Câncer), a estimativa é que o número de casos da doença aumente em 60% até 2015; três quartos ocorrem a partir dos 65 anos. Hoje, não há como prevenir o câncer de próstata, mas realizar exames preventivos ajudam a detectar a doença ainda em estágio inicial e ter chance de cura de até 85%.

Em estágios iniciais, o câncer de próstata não causa nenhum tipo de sintoma, explica o coordenador do Departamento de Uro-oncologia da SBU (Sociedade Brasileira de Urologia), Lucas Nogueira.

— Por isso, é recomendável que os homens façam os exames de prevenção, que são o exame de sangue PSA (antígeno prostático específico) e o exame de toque retal. Assim, é possível detectar a doença ainda em estágio inicial elevando as chances de cura.

Já nos casos mais avançados, o câncer de próstata pode causar diversas consequências graves ao paciente, como dores ósseas e até paralisia nas pernas, alerta o urologista do Hospital das Clínicas de São Paulo Cesar Camara.

— Ocorre também sangramento e dificuldade muito grande ou dor para urinar. A dificuldade para urinar acontece também no crescimento benigno da próstata, mas isso nós descobrimos realizando os exames.

De acordo com o coordenador da SBU, a recomendação é que os homens façam os exames preventivos a partir dos 50 anos.

— Já quem tem histórico familiar ou da raça negra deve começar os exames preventivos a partir dos 45 anos.

Apesar de ainda haver preconceito em relação ao exame de toque, o urologista do HC diz que os “homens estão mais conscientes e procuram receber o diagnóstico no momento oportuno”.

— Quando o homem não está muito inclinado a fazer tudo isso [os exames], as mulheres os incentivam, elas são as salvadoras [risos]. Se o homem chegou à consulta, ele faz sem problema. O problema são os pacientes que não chegam no consultório por preconceito.

Veja mitos e verdades do câncer de próstata

Fatores de risco

Camara ainda explica que “quanto mais idosa a pessoa for, maior é a chance de ela ter tumor de próstata”. Mas, além da idade, o médico ainda afirma que o principal fator de risco é o histórico familiar.

— O fator familiar envolvido que é muito forte. Um familiar [irmãos, pais e primos de primeiro grau] que teve câncer de próstata aumenta a chance de outro familiar em duas vezes em desenvolver a doença. Três familiares aumentam a chance em cinco vezes de o indivíduo ter câncer de próstata. Estudos recentes também mostram a associação do câncer de mama com o câncer de próstata no homem, ou seja, se a mãe teve câncer de mama, o filho homem tem a chance aumentada em até quatro vezes de ter a doença na próstata.

Câncer de próstata pode ser sexualmente transmissível, dizem cientistas

Tratamentos e sequelas

Depois de detectado o câncer, para se escolher o tratamento mais adequado para o paciente, o urologista do Hospital das Clínicas explica que é necessário primeiramente classificar o tumor. Ou seja, é necessário “saber se ele está na próstata ou saiu da próstata”. Depois, classifica-se a agressividade do tumor.

— Se o paciente tem uma doença localizada, um tumor pouco agressivo, em algumas situações, fazemos um acompanhamento mais rigoroso, sem nenhuma outra forma de tratamento. Para os pacientes que precisam de tratamento, porque tem câncer mais agressivo ou porque são muito jovens, propomos a cirurgia ou radioterapia. Quando a doença é mais agressiva e o tumor está fora da próstata, o tratamento hormonal pode ser auxiliar após a cirurgia ou radioterapia.

Um dos maiores medos dos homens que descobre o câncer de próstata é a possibilidade de sofrer com disfunção erétil. O urologista do HC conta que os “refinamentos das técnicas com a cirurgia robótica” têm reduzido a probabilidade de o homem sofrer com algum tipo de sequela.

— A cirurgia robótica trouxe a delicadeza e ausência de tremores. Mesmo preservando os dois feixes cavernosos na cirurgia, durante algum tempo, haverá uma inflamação que faz com que o homem deixe de ter ereções por um período. Feita a cirurgia, a pessoa entra em programa de reabilitação peniana com medicamentos para reduzir esse tempo e recuperar as ereções. Quase todo mundo terá esse período refratário. Se a pessoa tiver diabetes, hipertensão e obesidade eleva a chance de impotência permanente. Mas a libido não fica alterada em nada.

Vida saudável

Não só para o câncer de próstata, manter uma vida equilibrada pode ajudar a reduzir as chances da doença, afirma o médico da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo Newton Soares de Sá Filho.

— O câncer de próstata não pode ser plenamente prevenido porque os fatores de risco estão fora do nosso controle. Porém, estudos clínicos sugerem que uma dieta rica em legumes, verduras, grãos, frutas, cereais integrais e com menor consumo de gordura animal e que a prática de exercícios físicos podem diminuir as chances de desenvolver o problema.

Últimas