Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Entenda o que é o papanicolau e quando o exame deve ser realizado

O teste, disponível no SUS, pode detectar precocemente a presença de células causadoras do câncer de colo de útero na paciente

Saúde|Carla Canteras e Yasmim Santos*, do R7

Papanicolau identifica lesões que podem ser um sinal de câncer de colo de útero
Papanicolau identifica lesões que podem ser um sinal de câncer de colo de útero Papanicolau identifica lesões que podem ser um sinal de câncer de colo de útero

O papanicolau é um exame rápido e simples, disponível no SUS (Sistema Único de Saúde), que permite a identificação de alterações nas células do colo uterino, que podem ser precursoras do câncer de colo de útero ou um sinal do início da doença.

Segundo informações divulgadas pelo Inca (Instituto Nacional de Câncer), esse tipo de câncer é o terceiro mais incidente entre mulheres no Brasil. Apenas para o ano de 2022, foram estimados 16.710 novos casos da doença.

O ginecologista e obstetra Alexandre Pupo, dos hospitais Sírio-Libanês e Albert Einstein, explica quais grupos devem atentar para a realização do exame.

“A recomendação do Ministério da Saúde é a partir dos 25 anos de idade e já ter vida sexual. Antes disso, não há recomendação da coleta do papanicolau, a não ser em pacientes que já tenham iniciado a vida sexual e sejam imunossuprimidas, ou por questões de doença, ou por transplante e uso de medicações imunossupressoras.”

Publicidade

Leia também

E ele acrescenta: “Uma outra situação é de pacientes mais jovens em que, no exame de rotina ginecológico, seja identificada alguma alteração do colo do útero ou lesão sugestiva”.

O exame também é comumente relacionado ao HPV (sigla em inglês para papilomavírus humano), pois, de acordo com o Manual MSD de Diagnóstico e Tratamento, “praticamente todos os tipos de câncer de colo do útero são causados pelo HPV”.

Publicidade

O ginecologista destaca que “a pesquisa do HPV é associada ao papanicolau para aumentar a sensibilidade, a capacidade de detecção de alterações de risco para a paciente”.

Além disso, o exame é capaz de identificar nas células as lesões relacionadas ao HPV e infecções, como a candidíase. Isso ocorre porque o material colhido é constituído por bactérias e fungos característicos, que podem ser reconhecidos no microscópio e analisados por um profissional especializado, como o citologista.

Publicidade

Grupos de risco

As pacientes consideradas mais suscetíveis e que devem realizar o exame são aquelas expostas a fatores de risco para o câncer de colo de útero, como tabagismo e imunodeficiência, pessoas que têm alto risco para o HPV ou que possuem lesões precursoras do câncer.

“Essas seriam as pacientes do grupo de alto risco e que deveriam fazer o papanicolau anual. Fazendo dessa maneira, a probabilidade de identificar uma lesão precursora apenas quando o câncer já está instalado diminui significativamente, praticamente zerando essa situação”, explica Pupo.

O ginecologista também acrescenta a esse grupo os indivíduos que se expõem mais ao risco de contaminação, como aqueles que não utilizam preservativos, têm múltiplos parceiros e que já tenham tido alguma IST (infecção sexualmente transmissível). Assim como os demais, eles devem realizar o papanicolau anualmente.

Pupo alega que os pacientes que estão fora da lista, considerados de baixo risco, podem realizar o exame a cada três anos.

Todavia, o obstetra explica que existem situações não planejadas que exigem o teste, como “quando você tem alteração em um exame de papanicolau e, dependendo dessa alteração, é pedido que ele se repita no prazo de seis meses”.

Detalhes do exame

O papanicolau começa com a colocação de um aparelho para entreabrir o tubo vaginal, popularmente conhecido como bico de pato, que permite a análise visual do médico.

Na sequência, o profissional colhe, com uma espátula, as células necessárias, que são esfregadas e fixadas sobre uma lâmina de microscópio e enviadas para análise.

“Na segunda parte, há a utilização de uma escova endocervical, como se fosse uma escovinha de rímel, que é colocada no canal cervical, e são feitas de três a cinco rotações de 360º. O que fica nessa escova também é colocado e esfregado sobre uma lâmina de microscópio.”

O papel do citopatologista é identificar, durante a análise das amostras, a presença de bactérias e fungos "e avaliar que tipo celular há ali, qual a quantidade de cada tipo, como está a coloração; e então ele consegue avaliar se existe algum risco de alteração do colo do útero ou não”, complementa o especialista.

A recomendação para a realização do exame é que a paciente não mantenha relações sexuais durantes os três dias que antecedem a coleta, que não esteja com uma infecção ginecológica, menstruada nem sangrando, para não que os resultados não sejam alterados.

As pacientes de baixo risco que, após dois papanicolaus, tiveram resultados normais seguidos e já estão próximas dos 64 anos não precisam mais fazer a coleta.

Em contrapartida, para “as pessoas que mantêm uma vida sexualmente ativa e que já tiveram fator de risco, seja uma alteração pré-cancerígena no colo do útero, seja a presença de HPV de alto risco, às vezes, nós estendemos essa coleta”.

*Estagiária do R7 sob supervisão de Fernando Mellis.

Principal causa do câncer de útero é o HPV. Saiba identificar os sintomas

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.