Saúde Entenda uso de aparelho em dentes de leite, como no filho de Neymar

Entenda uso de aparelho em dentes de leite, como no filho de Neymar

Entre os problemas mais comuns na infância que levam ao uso de aparelhos estão a mordida cruzada, como a diagnosticada em Davi Lucca, de 6 anos

  • Saúde | Giovanna Borielo, do R7*

Davi Lucca foi ao dentista colocar aparelho e foi registrado pela mãe, Carol Dantas

Davi Lucca foi ao dentista colocar aparelho e foi registrado pela mãe, Carol Dantas

Reprodução Instagram

Uma notícia recente sobre o filho de Neymar, Davi Lucca, de apenas 6 anos, chamou a atenção. A mãe dele, a digital influencer Carolina Dantas, divulgou nas redes sociais que o filho estava animado para colocar aparelho nos dentes.

No vídeo postado, a dentista do garoto, Taisa Pereira, afirma que o problema a ser corrigido é "mordida cruzada unilateral". Contatada pelo R7, ela não quis dar entrevista.

A recomendação do uso de aparelhos ortodônticos em crianças, inclusive ainda com dentes de leite, não é incomum, segundo a ortodontista Vânia Siqueira, professora de ortodontia na Unicamp.

Segundo ela, a mordida cruzada está entre os problemas mais frequentes na infância, além da mordida aberta. A mordida cruzada geralmente é causada por fatores genéticos, perda precoce de dentes de leite, língua baixa e respiração pela boca. Já a mordida aberta pelo uso prolongado de chupetas e mamadeiras, além dos 3 anos de idade.

“No caso da mordida cruzada, quanto antes realizar o tratamento, melhor, pois ele auxilia que o crescimento dentário da criança seja perfeito. A demora pelo tratamento pode trazer complicações, inclusive a necessidade de cirurgia”, afirma Vânia.

Veja também: Dentista tira dúvidas sobre saúde bucal no Hoje em Dia

A mordida cruzada consiste no desalinhamento da mordida, ou seja, quando os dentes inferiores não se encaixam com os superiores, de acordo com a cirurgiã-dentista Cristiane Rosa, da Sociedade Paulista de Ortodontia (SPO). “É como se os dentes de cima fossem a tampa de uma caixa, que tem que ser um pouco maior para encaixar na caixa, que é menor, assim como os dentes de baixo. Mas, na mordida cruzada, acontece o contrário, o espaço dos dentes de baixo é maior que o dos dentes de cima, e eles não se encaixam como deveriam”, explica.

Já a mordida aberta se dá quando os dentes superiores não tocam os inferiores. Em ambos os casos - da mordida cruzada e da mordida aberta -, depois de investigada a causa, será determinado o tratamento. O tratamento pode ser feito por meio de aparelhos ortodônticos - fixos ou móveis - associados a exercícios fonoaudiológicos, que auxiliam no reposicionamento dos dentes. 

Entre as causas da mordida cruzada estão fatores genéticos e hábitos, como, além do uso da chupeta, a respiração pela boca. A cirurgiã-dentista explica que isso ocorre devido à posição da língua ao respirar. "A língua fica mal posicionada, já que, relaxada, ela não está encostando no céu da boca, o que gera um desenvolvimento comprometido da maxila", diz.

Veja também: Aparelho dentário ajuda na estética e na saúde

O diagnóstico deve ser feito por um ortodontista, um dentista especializado em irregularidades dentais. Cristiane afirma que o ideal é que seja feito um acompanhamento com um profissional desde os 3 anos de idade da criança. 

Segundo postagem no Instagram de sua mãe, Davi tem "mordida cruzada unilateral"

Segundo postagem no Instagram de sua mãe, Davi tem "mordida cruzada unilateral"

Reprodução Instagram

Os tipos de mordida cruzada variam, podendo ser esquelético, que está relacionado à posição da mandíbula, ou dentário, ao mau posicionamento dos dentes, segundo ela.

Ela explica que a mordida cruzada pode afetar desde todos os dentes como apenas um.

Veja também: Mais da metade dos brasileiros não vai ao dentista anualmente, diz pesquisa

Segundo a cirugiã-dentista, o tratamento precoce ajuda no alinhamento do crescimento dos dentes permanentes e pode evitar a necessidade de um aparelho quando mais velho.

Os custos do tratamento variam, mas uma média, em crianças é R$ 2.000 mais uma mensalidade de manutenção de R$ 250. O tratamento pode ir de 12 a 36 meses.

*Estagiária do R7 sob supervisão de Deborah Giannini

Conheça 8 doenças que podem manifestar sinais pela boca: 

Últimas