Saúde Estereótipos de gênero prejudicam o tratamento de saúde das mulheres

Estereótipos de gênero prejudicam o tratamento de saúde das mulheres

Um estudo realizado na França mostrou que as mulheres ligam para os serviços de emergência 15 minutos mais tarde do que os homens quando sofrem um ataque cardíaco

AFP
  • Saúde | por AFP

As mulheres sofrem de depressão em média duas vezes mais que os homens

As mulheres sofrem de depressão em média duas vezes mais que os homens

Freepik

Infarto do miocárdio? Uma doença masculina. Depressão? Uma doença feminina. Os estereótipos ligados ao gênero afetam a forma como as mulheres, e os profissionais da saúde, enfrentam os problemas de saúde.

A princípio ela tinha dores nas pernas. O médico acreditava que era um problema de gota, ou talvez sintomas de gravidez.

Durante sete anos, suportou as dores porque ela mesma duvidava do diagnóstico, até que acabou em uma emergência. E novamente recebeu a informação de que o mal-estar era devido ao bebê que acabara de ter: cardiopatia pós-parto tóxica.

Finalmente um reumatologista identificou a origem do problema: lúpus.

Esse é o testemunho da historiadora feminista Elinor Cleghorn, que publicou no ano passado, em inglês, Mulheres doentes: uma viagem através da medicina e do mito em um mundo feito pelo homem (Unwell women: a journey through medicine and myth in a man-made world).

A tese do livro é que a saúde das mulheres tem sido constantemente mal compreendida e interpretada ao longo da história.

Tabus

"A natureza das mulheres e as representações que fizeram delas como criaturas frágeis impregnaram durante muito tempo a medicina", confirma a neurobiologista francesa Catherine Vidal.

Em um relatório apresentado recentemente à agência francesa para a igualdade entre homens e mulheres, a pesquisadora explica que "os códigos sociais vinculados aos gêneros feminino e masculino influenciam a expressão dos sintomas, a relação com o corpo, a decisão de pedir ajuda".

Entre os profissionais de saúde, os preconceitos relacionados com o gênero podem interferir na interpretação dos sintomas clínicos e nos cuidados.

Por exemplo, as mulheres são na realidade mais vulneráveis que os homens às doenças cardiovasculares: 56% morrem por causa delas, contra 46% entre os homens.

E, no entanto, o infarto do miocárdio permanece subdiagnosticado entre as mulheres e mais relacionado ao estresse no trabalho dos homens.

As mulheres sofrem de depressão em média duas vezes mais que os homens. Mas o principal motivo não são os hormônios, como se imaginou por muito tempo. As pesquisas demonstraram que as diferenças de gênero na prevalência de depressão variam de acordo com a situação socioeconômica.

E outras doenças, relacionadas com a saúde sexual e reprodutiva das mulheres, também são diagnosticadas de modo equivocado. Esse é o caso da endometriose, muito subestimada durante longo tempo porque está vinculada ao tabu da menstruação.

Na França, um estudo mostrou que as mulheres ligam para os serviços de emergência 15 minutos mais tarde do que os homens quando sofrem um ataque cardíaco.

"Elas se sentem menos preocupadas com a saúde, muitas vezes põem a família ou o trabalho à frente", lamenta a cardiologista Claire Mounier-Vehier.

Os sinais de um problema cardíaco são muitas vezes mais sutis entre as mulheres. Surgem com um cansaço persistente ou problemas digestivos.

"Temos que parar de acreditar que quando um homem desmaia ele tem um infarto, mas quando acontece com uma mulher é um simples desmaio", afirma Mounier-Vehier.

Últimas