Saúde Exercício físico em excesso pode afetar menstruação, alerta médica

Exercício físico em excesso pode afetar menstruação, alerta médica

De acordo com especialista, prática pode afetar a fertilidade, além da fadiga muscular

Exercício físico em excesso pode afetar menstruação, alerta médica

Prática pode trazer sérias consequências, diz especialista

Prática pode trazer sérias consequências, diz especialista

Thinkstock

Fazer exercício físico em excesso com a intenção de conseguir resultado rápido, seja pela busca da forma perfeita ou para alcançar melhor desempenho esportivo, não é uma boa estratégia, de acordo com a ginecologista Graciela Morgado membro da Frebrasgo (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia) e diretora da clínica Invita. Segundo ela, a prática pode trazer sérias consequências como: ciclo menstrual irregular, o que pode influenciar na fertilidade feminina, fadiga muscular, lesões e consequentemente a interrupção da atividade.

— Há um desequilíbrio neuroendócrino, o que causa uma falha no hipotálamo, glândula que regula diversas funções hormonais e assim  não há liberação dos hormônios estimuladores dos ovários e como consequência o organismo deixa de produzir o estrógeno e a progesterona causando alterações menstruais.

De acordo com a especialista, nessa situação, a amenorreia (falta de menstruação) pode diminuir a densidade mineral óssea. Em curto prazo, existe maior probabilidade de fraturas por estresse, e pode evoluir para osteoporose. O comportamento alimentar inadequado associado a esses distúrbios caracteriza a chamada tríade da mulher atleta, que atinge principalmente corredoras de longas distâncias, bailarinas e ginastas.

Masturbação ajuda a prevenir, diabetes, cistite e até câncer, dizem cientistas

Higiene íntima: 10 dicas para o sexo feminino

A partir desse quadro a médica aconselha acompanhamento nutricional rigoroso associado à ingestão de cálcio e vitamina D e redução da atividade física em 10 a 20% no volume, intensidade e frequência, podendo ser suficiente para a normalização do ciclo menstrual.

— Nos casos em que não há retorno espontâneo, a reposição hormonal é recomendada para evitar a perda óssea precoce. Indica-se o uso de anticoncepcional com altas doses de estrógeno para aumentar a massa óssea da paciente e regularizar a menstruação.

Conhecer seu corpo melhora vida sexual, garantem especialistas
 

    Access log