Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Explosão de casos de Covid na China ameaça criar novas variantes, alertam especialistas

País é considerado um 'terreno fértil', visto que a maioria da população não tem imunidade por infecção anterior e há muitos não vacinados

Saúde|Do R7


China é considerada um 'terreno fértil' para a criação de variantes do coronavírus
China é considerada um 'terreno fértil' para a criação de variantes do coronavírus

A explosão de infecções por Covid-19 na China após o levantamento das restrições sanitárias ameaça criar um "potencial terreno fértil" para novas variantes do vírus, alertam especialistas em saúde.

A Comissão Nacional de Saúde da China parou de publicar o balanço diário de casos, mas autoridades de várias cidades estimam que centenas de milhares de pessoas foram infectadas nas últimas semanas, enquanto hospitais e crematórios em todo o país estão sobrecarregados.

Nesta semana, a China anunciou que os viajantes do exterior não terão de ficar em quarentena a partir de 8 de janeiro e deu mais um passo em direção ao fim da sua rígida política de "Covid zero", que manteve o país praticamente isolado do mundo desde o início da pandemia.

Leia também

Com o vírus circulando quase livremente entre uma população de 1,4 bilhão de pessoas, a maioria sem imunidade por infecção anterior e muitos não vacinados, outros países e especialistas temem que a China seja um terreno fértil para novas variantes.

Publicidade

O diretor do Instituto de Saúde Global da Universidade de Genebra, Antoine Flahault, disse que cada nova infecção aumenta a chance de mutação do vírus.

"O fato de 1,4 bilhão de pessoas serem expostas ao Sars-CoV-2 obviamente cria condições para variantes emergentes", comentou Flahault sobre o vírus que causa a Covid-19.

Publicidade

Bruno Lina, professor de virologia da Universidade de Lyon, declarou ao jornal La Croix que a China se tornaria um "potencial criadouro do vírus".

Já Soumya Swaminathan, que até novembro era a principal cientista da OMS (Organização Mundial da Saúde), afirmou que grande parte da população chinesa é vulnerável ao contágio, principalmente porque muitos idosos não foram vacinados.

"Precisamos monitorar qualquer variante de interesse", disse ao site do jornal Indian Express.

'Sopa' de variantes

Na semana passada, o diretor de controle viral do Centro Chinês de Controle de Doenças, Xu Wenbo, anunciou que os hospitais do país coletariam amostras de pacientes e enviariam informações de sequenciamento genético para um novo banco de dados nacional, para permitir que as autoridades monitorassem possíveis novas cepas em tempo real.

Mais de 130 derivados da variante Ômicron foram detectados nos últimos três meses na China, disse a repórteres.

Entre eles, estão XXB e BQ.1 e suas subvariantes, que estão se espalhando nos Estados Unidos e em partes da Europa.

Xu observou, porém, que BA.5.2 e BF.7 continuam sendo os principais derivados da Ômicron detectados na China.

Flahault afirmou que "uma sopa" de mais de 500 subvariantes da Ômicron foi identificada nos últimos meses, embora seja difícil dizer onde cada uma surgiu.

"Qualquer variante, quando é mais transmissível que a dominante anterior, como BQ.1, B2.75.2, XBB, CH.1 ou BF.7, definitivamente representa ameaças, porque pode causar novas ondas", explicou.

"Mas, até onde sabemos, nenhuma dessas variantes conhecidas parece apresentar riscos particulares de sintomas mais graves, embora esse possa ser o caso de novas variantes no futuro", acrescentou.

Veja dicas para manter a saúde bucal em dia neste fim de ano

" gallery_id="63a48e2b19d224b447000b3b" url_iframe_gallery="noticias.r7.com/saude/explosao-de-casos-de-covid-na-china-ameaca-criar-novas-variantes-alertam-especialistas-29122022"]

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.