Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Haja saúde! Veja como as mudanças bruscas de temperatura afetam o organismo

Variações térmicas são cada vez mais frequentes, e mudanças extremas podem prejudicar sistemas respiratório e cardíaco

Saúde|Giovanna Borielo, do R7


Variações climáticas são cada vez mais constantes
Variações climáticas são cada vez mais constantes

Um dia extremamente quente, seguido de outro com frio, ou até mesmo experimentar as quatro estações dentro de 24 horas. Há semanas em que todos os tipos de roupas precisam ser tiradas do armário. Diante dessas situações, uma frase é consenso: haja saúde para aguentar isso!

“A variação de temperatura intensa com uma amplitude térmica tão grande, como a que temos visto, pode, de fato, afetar a saúde de várias maneiras, principalmente porque o corpo humano precisa se adaptar rapidamente a essas mudanças. Essas flutuações podem sobrecarregar o sistema imunológico, tornando as pessoas mais suscetíveis a infecções”, alega a endocrinologista Lorena Balestra.

O biólogo Fabiano Agrela, membro da Royal Society of Biology, no Reino Unido, complementa que as crianças, idosos e indivíduos com condições médicas preexistentes podem ser mais afetados diante de tais variações térmicas.

Os principais sinais que podem ser desencadeados nessas mudanças bruscas do tempo são gripes e resfriados frequentes, falta de ar, alterações na frequência cardíaca, dores no peito, dores de cabeça, fadiga, cansaço, mal-estar geral, náuseas e vômitos.

Publicidade

Os sistemas respiratório e o cardiovascular costumam ser os mais afetados, resultando em potencial agravamento de condições crônicas, como asma e DPOC (doença pulmonar obstrutiva crônica).

Compartilhe esta notícia no WhatsApp

Publicidade

Compartilhe esta notícia no Telegram

Ainda, essa variação pode proporcionar um estresse adicional ao coração, provocando alterações na pressão arterial — tanto para mais, quanto para menos.

Publicidade

A longo prazo, o sobe e desce do termômetro pode causar problemas crônicos, como artrite, alergias respiratórias e até mesmo impactos psicológicos, devido ao estresse constante.

Para amenizar os efeitos desse cenário, Lorena aconselha que os ambientes sejam mantidos ventilados e regulados termicamente. Se possível, usar umidificadores e usar roupas adequadas ao clima.

Os especialistas afirmam que, para prevenir complicações, é preciso também manter a hidratação adequada e evitar a exposição prolongada a temperaturas extremas.

Para os efeitos que não são possíveis prevenir, é recomendado manter o repouso e a hidratação.

A depender da gravidade, especialmente em idosos e crianças, é preciso buscar atendimento médico para solucionar os sintomas.

Leia também

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.