Saúde Ministério descarta caso de pólio no Pará e atribui paralisia de criança a erro em esquema vacinal

Ministério descarta caso de pólio no Pará e atribui paralisia de criança a erro em esquema vacinal

Em nota, pasta esclarece que paciente de 3 anos não havia recebido vacina de vírus inativado antes de receber dose oral, o que é exigido

  • Saúde | Do R7

Crianças devem tomar vacina de vírus inativado antes da vacina oral (reforço)

Crianças devem tomar vacina de vírus inativado antes da vacina oral (reforço)

Marcelo Camargo/Agência Brasil

O Ministério da Saúde informou, nesta sexta-feira (7), que o Brasil continua sem nenhum caso de poliomielite desde 1989, após ter descartado uma suspeita da doença em uma criança de 3 anos no Pará.

O paciente teve paralisia flácida aguda, e um exame de fezes detectou o vírus da pólio. No entanto, uma investigação de autoridades sanitárias descobriu que a criança havia tomado uma vacina de vírus atenuado (oral) antes ter recebido a vacina de vírus inativado (injeção).

A pasta afirma ainda que a paralisia é "suspostamente atribuível à vacina" oral, pois "na caderneta de vacinação da criança não consta registro de vacina inativada poliomielite (VIP), que deve ser administrada anteriormente à VOP [vacina oral poliomielite]".

O ministério, entretanto, acrescenta que "o risco de paralisia flácida aguda com a VOP é muito raro e que, quando a VOP é aplicada como reforço, após o esquema básico com a vacina VIP, esse risco é praticamente nulo".

"A criança foi atendida ambulatorialmente, não chegou a ser internada, e evoluiu bem, com recuperação da força muscular. Permanece com discreta claudicação [comprometimento da capacidade de marcha] no membro inferior esquerdo", acrescenta o comunicado.

O poliovírus Sabin Like 3, que foi detectado nas fezes da criança no Pará, "não tem caráter transmissível e não altera o cenário epidemiológico no território nacional", salienta o ministério.

"De 1989 a 2012, de 764 milhões de doses de VOP aplicadas em crianças de todo o país, ocorreram somente 50 casos de pólio vacinal. A partir de 2012, com a introdução do esquema sequencial VIP/VOP, não ocorreram mais casos de pólio vacinal no país", complementa a nota.

A ameaça da volta da poliomielite no Brasil e no restante do continente americano foi reconhecida, inclusive, pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, em discurso na 30ª Conferência Sanitária Pan-Americana, na semana passada.

Na quarta-feira (5), Queiroga garantiu que o país atingirá a meta de vacinar contra a pólio 95% do público-alvo. Atualmente, o patamar de cobertura está em torno de 60%.

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite começou no dia 8 de agosto e foi encerrada na última sexta-feira (30), depois de ter sido prorrogada por causa da baixa adesão.

Alguns estados decidiram continuar as campanhas por conta própria, como foi o caso de São Paulo e do Rio Grande do Sul.

A orientação da pasta é que crianças de 1 a 4 anos recebam uma dose da VOP (vacina oral poliomielite), desde que já tenham tomado as três doses da VIP (vacina inativada poliomielite) previstas no esquema básico.

Outra suspeita de poliomielite que estava sob investigação em Roraima também já foi descartada.

Últimas