Saúde O que explica a alergia que deixou garota em estado grave após sentir cheiro de pimenta

O que explica a alergia que deixou garota em estado grave após sentir cheiro de pimenta

Médica afirma que intensidade do processo alérgico depende de quão sensível a pessoa é e se ela já está com alguma inflamação no organismo

  • Saúde | Giovanna Borielo, do R7

Resumindo a Notícia
  • Alergia a pimenta é rara; a irritação mais comum está relacionada ao seu ardor.

  • Quadros alérgicos podem ser desenvolvidos em qualquer idade e gravidade.

  • Aparecimento de alergia a alimentos já ingeridos se dá por mudanças na imunidade.

  • Gravidade de quadros ocorre pela resposta do organismo de cada um.

Jovem internada após cheirar pimenta não apresenta resposta neurológica

Jovem internada após cheirar pimenta não apresenta resposta neurológica

Reprodução/Instagram

Internada desde 17 de fevereiro, após ter apresentado uma reação alérgica somente por sentir o aroma de pimenta bode enquanto cozinhava com o namorado, Thais Medeiros de Oliveira, de 25 anos, não apresenta resposta neurológica, embora esteja sem sedação. 

De acordo com o último boletim médico, divulgado no domingo (5), a jovem encontra-se internada na UTI, traqueostomizada e com apoio de ventilação mecânica. A pedido dos familiares, a Santa Casa de Anápolis (GO), hospital em que a paciente está internada, não divulgou mais o estado de saúde dela. 

Fabiana Mascarenhas, alergista e imunologista do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, explica que a alergia a pimenta é um quadro raro; é mais comum o quadro de irritação nas mucosas das vias respiratórias, provocado pela capsaicina, substância presente na maioria das pimentas, relacionada ao ardor do alimento, e com reações mais leves.

De acordo com a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), vinculada ao Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), a picância da pimenta bode pode atingir 200 mil unidades Scoville (escala usada para medir a picância das pimentas), e ela é considerada extremamente picante, superando a ardência das pimentas dedo-de-moça e jalapeño.

Porém, tal ardência não definiria um quadro alérgico, uma vez que a manifestação ocorre em virtude da reação à proteína do alimento — e não à sua picância.

Embora seja rara, a alergia ao tempero, assim como a qualquer outro alimento, pode ser desenvolvida em qualquer fase da vida, a qualquer idade.

Mesmo pessoas que já tenham ingerido determinado alimento anteriormente estão sujeitas a ter alergia, pois nesses casos ocorre uma "desregulação" do sistema imunológico do entendimento do que seria normal e estranho, de acordo com a médica Brianna Nicolletti, alergista e imunologista do Hospital Albert Einstein.

"Diante do contato com a estrutura do alimento (por pele, mucosa ou inalado), se ela for entendida imunologicamente como 'alergênica' e estranha, ocorre uma resposta com a produção de anticorpos contra a proteína daquele alimento (chamado de IgE), o que gera um processo inflamatório. A intensidade desse processo depende do quão sensível (alérgica) a pessoa é e se ela já estava previamente inflamada (por outro motivo)", elucida Brianna.

As alergistas explicam que o tipo da pimenta não definirá a reação, assim como o tipo da pimenta não tem nenhuma relação com a frequência do quadro, sendo algo exclusivo entre a percepção do sistema imunológico quanto à proteína alimentar. 

Pimenta bode é considerada mais picante que as pimentas dedo-de-moça e jalapeño

Pimenta bode é considerada mais picante que as pimentas dedo-de-moça e jalapeño

Milza Moreira Lana / Embrapa Hortaliças - 06.03.2023

Manifestações

Podem ser três as formas de desenvolver uma reação alérgica: toque, mucosas (ingestão) ou pelas vias aéreas, como foi o caso de Thaís.

A partir da sensibilidade do sistema imune e da quantidade de proteínas daquele alimento ao qual foi exposto, o organismo passa a produzir o IgE e a manifestar os sintomas.

A gravidade do quadro, entretanto, dependerá da resposta de cada um, ressalta Fabiana; as de pior diagnóstico são aquelas que causam anafilaxia e comprometem mais de um sistema (respiratório, cardíaco, neurológico ou gastrointestinal). 

Os quadros anafiláticos expressam um conjunto de sinais de reação imediata (de minutos a poucas horas após o contato), com manifestações graves, sistêmicas, generalizadas e potencialmente fatais. 

Os choques anafiláticos costumam apresentar sintomas na pele (vermelhidão, coceira e inchaço) e/ou respiratórios (tosse, chiado no peito e falta de ar), gastrointestinais (dor na barriga, diarreia, vômitos), cardiovasculares (hipotensão) e neurológicos (desmaio, sonolência). Por se tratar de um quadro grave, deve ser administrada prontamente adrenalina de forma intramuscular.

Já o inchaço na garganta, que impede a passagem de ar (edema de glote), pode evoluir de forma rápida.

Em casos de suspeita, é necessário levar o paciente ao pronto-atendimento mais próximo.

Brianna recomenda a essas pessoas que sejam mantidas deitadas, com as pernas elevadas, para facilitar a circulação sanguínea, assim como observar os sinais vitais, monitorando batimentos cardíacos e respiração para verificar a necessidade de massagem cardíaca.

A dificuldade em respirar, eventualmente, pode levar à necessidade de uma traqueostomia para facilitar o acesso de ar aos pulmões. 

Brianna afirma que, independentemente da alergia, é importante que haja o reconhecimento dos sintomas, que podem incluir rouquidão, sensação de coceira ou "bolo" na garganta, dificuldade para respirar, chiado ou barulho estridente durante a respiração, sensação de aperto no peito e dificuldade para falar.

Além disso, outros sintomas, como urticária, com vermelhidão ou comichão na pele, olhos e lábios inchados, língua inchada ou aumentada, conjuntivite ou lacrimejamento ocular ou crise de asma podem ocorrer.

Fabiana complementa que, em todos os casos, a busca por pronto-atendimento médico é imprescindível, visto que não há nenhuma garantia de que a reação será leve ou evoluirá com gravidade.

A partir da constatação e do diagnóstico da alergia, os profissionais definirão com o paciente o plano de ação para novas exposições ao componente e para novas reações e sugerirão a medicação a ser administrada nessas ocasiões, enquanto a pessoa busca atendimento médico.

As especialistas afirmam que alguns quadros podem provocar piores evoluções na reação alérgica, como a asma.

Deve ser levado em consideração que uma pessoa que já possui uma alergia pode ter, também, predisposição a outros quadros alérgicos devido a essa desregulação do sistema imune.

Além disso, pode haver a manifestação por "reações cruzadas", quando os componentes estruturais de um alimento são parecidos com os do alimento causador da alergia, o que desencadeia uma nova manifestação.

"Para quem não possui alergia diagnosticada, é importante sempre valorizar os primeiros sintomas, desde seu aparecimento, para acompanhar a evolução e ter o melhor tratamento possível", finaliza a alergista do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

Intolerância ou alergia alimentar? Veja a diferença entre essas condições

Últimas