Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Regurgitação não é o único sintoma de refluxo; aprenda a identificar

Especialista explica que o refluxo gastroesofágico pode simular doenças como o infarto; problema afeta 12% dos brasileiros

Saúde|Hysa Conrado, do R7


Tosse seca e pigarro na garganta também podem ser sintomas de refluxo gastroesofágico
Tosse seca e pigarro na garganta também podem ser sintomas de refluxo gastroesofágico

A doença do refluxo gastroesofágico acomete cerca de 12% da população brasileira, segundo a SBMDN (Sociedade Brasileira de Motilidade Digestiva e Neurogastroenterologia), e pode representar uma perda da qualidade de vida se não for tratada corretamente.

Apesar de ser constantemente relacionado apenas à regurgitação dos alimentos, o refluxo tem como principais sintomas a azia e a queimação, podendo, inclusive, simular doenças como o infarto, de acordo com o médico Diogo Balestra, especialista em aparelho digestivo e cirurgia bariátrica.

“As pessoas às vezes confundem [o sintoma] e chamam de refluxo quando o alimento ou um gosto amargo volta para a boca, mas isso é a regurgitação, também um dos sintomas. O refluxo pode se apresentar de forma atípica, com tosse seca, pigarro na garganta, desgaste dos dentes e dor torácica, o que pode simular até infarto em alguns casos”, explica o especialista.

Como o refluxo ocorre

A digestão dos alimentos começa a partir da mastigação e depois passa pelo esôfago, onde, na transição para o estômago, há um esfíncter, um tipo de válvula que se abre ao estímulo do alimento e se fecha novamente para que o conteúdo do estômago não retorne para o esôfago. Quando esse mecanismo falha, o refluxo acontece.

Publicidade

“O conteúdo do estômago é muito ácido e agressivo para o esôfago; então esse retorno começa a machucar as paredes do esôfago, que não está preparado para receber a acidez como o estômago está, e aí é que os sintomas aparecem. Para uma pessoa ter refluxo, basta ter azia e/ou regurgitação por pelo menos duas semanas”, explica Balestra.

O médico ressalta que há alguns hábitos comportamentais e alimentares que podem aumentar o risco de que essa falha ocorra, como se alimentar de maneira rápida, consumir bebidas alcoólicas ou gaseificadas em excesso, beber líquido durante as refeições, além de café, cigarro e de alimentos com muita fritura ou com muito molho e pimenta.

Publicidade

“Há pessoas que têm hérnia de hiato, que é uma falha nessa região entre o esôfago e o estômago, o que propicia que o esfíncter fique entreaberto e essa transição que deveria ficar dentro da barriga suba para o tórax, facilitando que o conteúdo [do estômago] volte”, afirma o especialista.

Segundo Balestra, o hábito de deitar logo após as refeições também aumenta o risco de refluxo. Isso ocorre porque a pessoa que está deitada perde a proteção da gravidade e o alimento encontra mais facilidade para voltar ao esôfago, podendo chegar até a boca.

Publicidade

“A recomendação é esperar duas horas para se deitar, ou ficar deitado em uma posição em 45 graus com a ajuda de uma poltrona reclinada ou um travesseiro mais alto. Também é importante fazer as refeições noturnas mais cedo e dar preferência a alimentos leves, pois o refluxo noturno é muito comum”, explica. 

Tratamento

O especialista é categórico ao afirmar que a mudança nos hábitos é fundamental para garantir uma qualidade de vida sem refluxo, ou amenizar os sintomas da doença em casos mais graves. Aliado a isso, Balestra destaca a importância do acompanhamento médico, já que se trata de uma doença crônica.

“O tratamento é metade mudança de hábitos alimentares e comportamentais e metade remédio. Então eu sempre recomendo um bom sono, atividade física, mastigar devagar e evitar líquido durante a refeição. E o mais importante é ser acompanhado por um especialista, porque é muito fácil ter acesso a um omeprazol ou um sal de frutas, mas isso não é tratamento, vai apenas mascarar alguns refluxos graves”, afirma o médico.

Sobre a mudança na alimentação, Balestra explica que as restrições alimentares vão depender de cada caso, mas que o equilíbrio das refeições é fundamental para garantir uma boa recuperação.

Leia também

Além disso, existem duas classes de medicamentos utilizadas para tratar o refluxo gastroesofágico, segundo o especialista: os inibidores de bomba, que agem sobre a acidez do estômago, aumentando o pH da região; e os pró-cinéticos, que aumentam o esvaziamento do tubo digestivo, evitando que os alimentos fiquem parados por muito tempo.

“O paciente combina os dois remédios, um em jejum pela manhã para diminuir a acidez e o outro para aumentar o peristaltismo e expulsar esse alimento com mais rapidez. Com isso, se refluir, vai refluir pouco e não tão ácido, aí não vai ter agressão, a mucosa do esôfago vai ficar tranquila, vai cicatrizar e a pessoa não vai ter sintomas”, explica.

Também é possível fazer uma cirurgia para corrigir o problema, mas Balestra afirma que o uso da medicação tem um resultado parecido.

“Antigamente, operava-se muito a hérnia de ar e doenças do refluxo; hoje, evitamos, porque os remédios são muito potentes. É importante lembrar que os remédios bem recomendados não causam câncer nem impotência ou Alzheimer, como algumas fake news compartilharam”, afirma.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.