Saúde Saiba quais são as capitais brasileiras com maiores índices de pessoas com depressão

Saiba quais são as capitais brasileiras com maiores índices de pessoas com depressão

Pesquisa do Ministério da Saúde mostra que 11,3% da população acima de 18 anos relata ter sido diagnosticada com a doença, mais que o dobro da média mundial

  • Saúde | Do R7

Incidência da depressão no Brasil varia conforme sexo, idade e nível de escolaridade

Incidência da depressão no Brasil varia conforme sexo, idade e nível de escolaridade

Freepik

A Pesquisa Vigitel 2021, conduzida pelo Ministério da Saúde, mostrou que o Brasil mantém uma prevalência dos índices de depressão acima da média mundial. Enquanto a OMS (Organização Mundial da Saúde) estima que cerca de 5% dos adultos em todo o planeta tenham a doença, entre os brasileiros são 11,3%.

A depressão no Brasil se distribui de forma diferente de acordo com cada capital, com índices que variam de 7,2% a 17,5%.

Veja abaixo o percentual de adultos que declararam na pesquisa ter recebido diagnóstico médico de depressão:

• Porto Alegre: 17,5%
• Belo Horizonte: 17,2%
• Florianópolis: 17,1%
• Campo Grande: 16,6%
• Curitiba: 16,1%
• Recife: 12,5%
• Rio de Janeiro: 11,9%
• Natal: 11,8%
• Fortaleza: 11,4%
• Maceió: 11,3%
• Palmas: 11,3%
• Distrito Federal: 11,2%
• João Pessoa: 11%
• Aracaju: 10,9%
• Vitória: 10,9%
• Teresina: 10,8%
• Porto Velho: 10,6%
• Boa Vista: 10,3%
• Manaus: 10,2%
• Rio Branco: 10,2%
• Goiânia: 10,1%
• São Paulo: 9,7%
• Cuiabá: 9,2%
• Macapá: 8,2%
• Salvador: 8%
• São Luís: 8%
• Belém: 7,2%

A depressão incide mais em mulheres (14,7%) do que em homens (11,3%). Também há variações de acordo com a idade e a escolaridade.

Indivíduos de 55 a 64 anos são os que apresentam os índices mais elevados de depressão: 13,2%. Mas esse percentual vai a 18% quando são consideradas somente as mulheres.

Em seguida, aparecem os idosos (65 anos ou mais), com 12,8%, e o grupo de 45 a 54 anos, com 12%.

Pessoas com 12 anos ou mais de escolaridade apresentam mais quadros depressivos (12,1%), segundo o levantamento.

A depressão é uma doença multifatorial, cuja causa exata é desconhecida, mas pode ter relação com eventos específicos ao longo da vida, predisposição genética, alteração dos níveis de alguns neurotransmissores e fatores psicossociais.

Entre os principais sintomas estão sensação de tristeza e desmotivação, alterações no sono, cansaço excessivo, humor para baixo, entre outros.

É fundamental buscar ajuda profissional (médico ou psicólogo). A grande maioria dos casos tem remissão de todos os sintomas se for conduzido um tratamento adequado.

Na pior das hipóteses, a depressão pode levar ao suicídio. No Brasil, o CVV (Centro de Valorização à Vida) oferece atendimento gratuito para acolhimento de pessoas que em algum momento cogitaram tirar a própria vida.

A entidade, sem fins lucrativos, foi fundada há 57 anos e tem representação em 19 estados e no Distrito Federal. O telefone 188 (gratuito para todo o país) é o principal canal de atendimento.

Milhares de voluntários que integram o CVV (Centro de Valorização da Vida), entidade sem fins lucrativos, trabalham diariamente.

Mas também é possível entrar em contato pelo chat no site, onde há uma lista de endereços físicos das unidades.

Últimas