Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Tecnologia e Ciência
Publicidade

Julho de 2023 caminha para bater recorde e se tornar o mês mais quente da história no planeta

Ferramenta mais poderosa para monitorar mudança climática mostra média de 16,95°C, contra os 16,63°C de julho de 2019

Tecnologia e Ciência|Do R7

Onda de calor afeta países do Mediterrâneo
Onda de calor afeta países do Mediterrâneo Onda de calor afeta países do Mediterrâneo

Julho deste ano avança para bater um recorde negativo mesmo antes de terminar: tomar o lugar do mesmo período de 2019 e se transformar no mês mais quente da história. Os sinais foram detectados pelo ERA5, a quinta geração da ferramenta mais poderosa de análise de dados sobre mudança climática do Centro Europeu de Previsões Meteorológicas.

O conjunto de dados do monitor, associado ao Serviço de Mudanças Climáticas Copernicus e que armazena dados desde 1940, já conseguiu identificar que, nos primeiros 23 dias deste mês, a temperatura média no mundo foi de 16,95°C — ainda falta uma semana a ser computada. Esse patamar já supera os 16,63°C de julho de 2019 (mês completo), recorde histórico desde 1940.

É importante lembrar que a ferramenta calcula as temperaturas em todos os cantos do planeta, desde as dezenas de graus negativos da Antártida, Groenlândia, Sibéria e Alasca até os termômetros nas alturas do deserto do Saara ou do Atacama, por exemplo. Com isso, é feita uma média.

• Compartilhe esta notícia no WhatsApp

Publicidade

• Compartilhe esta notícia no Telegram

O diretor do Serviço de Mudança Climática Copernicus, Carlo Buontempo, afirmou que “as quebras de recorde de temperatura são parte de uma tendência de aumentos drásticos nas temperaturas globais. As emissões de gases são mais recentemente o principal catalisador para o aumento dos termômetros”.

Publicidade

“O recorde de julho não deverá ser um fato isolado neste ano. Isso porque as previsões apontam para territórios com temperaturas muito acima da média”, adverte.

O calor já provocou eventos climáticos extremos e vítimas em todos os continentes, com destaque para a onda de calor escaldante na Europa, América do Norte e Ásia e os incêndios no Canadá e na Grécia.

Publicidade
Grécia (foto) e Canadá sofrem para controlar os incêndios que ameaçam moradores
Grécia (foto) e Canadá sofrem para controlar os incêndios que ameaçam moradores Grécia (foto) e Canadá sofrem para controlar os incêndios que ameaçam moradores

Recorde diário

O mês começou, de acordo com o ERA5, com a quebra do recorde histórico de temperatura diária em sequência, entre os dias 3 e 6 de julho. Esses quatro dias foram mais quentes do que o recorde diário anterior, de 16,8°C, registrado em 13 de agosto de 2016. O dia mais quente da história, por enquanto, foi 6 de julho, quando a temperatura global chegou aos 17,08°C.

Com isso, as três primeiras semanas do mês sinalizam um novo recorde histórico. Durante esse período, as temperaturas já excederam, ainda que de forma temporária, em 1,5°C o limite superior do período pré-industrial — esse teto foi selado no Acordo de Paris.

Leia também

Rapaz tenta se refrescar em riacho da Palestina, no Oriente Médio
Rapaz tenta se refrescar em riacho da Palestina, no Oriente Médio Rapaz tenta se refrescar em riacho da Palestina, no Oriente Médio

Águas do mar mais quentes

Os cientistas afirmam que o aquecimento incomum das águas de superfície do mar colabora para o recorde histórico de temperatura do ar em julho. Desde abril, a média de temperatura diária permaneceu inalterada, conforme a época do ano. A partir do meio de maio, porém, os valores observados não têm precedentes na história quando comparados.

Os dados do ERA5 mostram, por exemplo, que, em 19 de julho, os termômetros chegaram à média de 20,94°C na superfície dos oceanos — apenas 0,01°C acima do maior nível já registrado até então, em março de 2016, quando chegou a 20,95°C.

El Niño

Fontana di Trevi, na Itália: calor extremo é ameaça
Fontana di Trevi, na Itália: calor extremo é ameaça Fontana di Trevi, na Itália: calor extremo é ameaça

O aumento da temperatura dos oceanos coincide com o avanço do fenômeno El Niño, um período de termômetros acima da média nas águas do oceano Pacífico. Naturalmente, esse fenômeno tem um padrão, que leva a ondas de calor extremas em várias regiões e no oceano.

Paralelamente a isso, os cientistas já notaram recordes sucessivos de temperatura no norte do oceano Atlântico. Em junho, a temperatura nas águas do Atlântico Norte já tinha atingido recorde histórico, com média de 0,91°C acima dos registros da época.

“O clima extremo que afetou dezenas de milhões de pessoas em julho é, infelizmente, a dura realidade da mudança climática e uma amostra do futuro”, disse o secretário-geral da Organização Meteorológica Mundial (WMO, na sigla em inglês), professor Petteri Taalas.

“A necessidade de reduzir as emissões de gases de efeito estufa é mais urgente do que nunca. A ação climática não é um luxo, mas uma obrigação.” Desde abril, a temperatura média diária global da superfície do mar permaneceu em valores recordes para a época do ano.

A publicação dos dados do ERA5, que devem confirmar o recorde histórico de temperaturas para julho, será em 8 de agosto.

Incêndios na Grécia tiram quase 30 mil de casa e ferem animais. Veja fotos

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.