Tecnologia e Ciência Sistema permite controlar robôs usando apenas o poder da mente

Sistema permite controlar robôs usando apenas o poder da mente

Cientista explica como podemos controlar próteses, casas e robôs com as ondas do cérebro

Sistema permite controlar robôs usando apenas o poder da mente

Getty Images

Um projeto para controlar robôs usando apenas a mente atrai a atenção de qualquer amante de ficção científica de cara. Principalmente, quando um cientista está disponível para explicar como é possível transformar um boné em uma espécie de controle adaptado para mover robôs.

O projeto de robôs controlados apenas pelo pensamento é uma das novidades do Instituto de Engenheiros Eletricistas e Eletrônicos (IEEE), maior organização técnico-profissional do mundo. Formado em Engenharia Elétrica e Física na Universidade Técnica de Aachen (Alemanha), professor da Universidade Estadual de Michigan e diretor da MANTL  (Micro and Nano Technology Lab), Dean Aslam é o líder do projeto.

Desvendamos a tecnologia do Homem de Ferro

Com mais de 18 anos na profissão, Aslam transformou um brinquedo em um controle capaz de enviar comandos para um robô. Ao contrário do que se possa imaginar, a nova tecnologia não vai transformar as pessoas em super-heróis, ciborgues ou coisa do tipo. A ideia é que o dispositivo funcione com diferentes aparelhos, casas inteligentes e pode até ser usado no ramo da saúde, para detectar doenças como Parkinson, por exemplo.

Autor de mais de 185 artigos científicos e com mais de dez patentes registradas nos Estados Unidos, Dean Aslam comentou seus planos em conjunto com o IEEE. Confira a entrevista do cientista ao R7.

R7 – Pode explicar como é possível controlar robôs usando apenas a mente?

Dean Aslam – O cérebro humano emite ondas eletromagnéticas (0.3 até 60Hz) que são normalmente detectadas por um sistema-boné com 64 eletrodos   chamado de Eletroencefálograma (EEG) que é complexo e caro. Alguns anos atrás, a Neurosky (empresa de biosensores) apresentou um barato EEG de um eletrodo só (com um segundo eletrodo de aterramento) para controlar brinquedos com a mente.

O sinal de EEG detectado por um eletrodo colocado na testa (de aproximadamente 10 micro Volts) é amplificado e processado para extrair as ondas cerebrais relacionadas com o nível de atenção de um ser humano. Esse sinal de atenção é recebido por um “computador com um único chip” chamado de micro controlador. Se o sinal, que muda dependendo de quão focado o usuários está em um assunto, excede um determinado limite, o micro controlador aciona um  motor que ativa um robô.

R7 – E qual é o desafio na criação de uma interface entre a mente humana e um robô?

Dean Aslam – O grande desafio é encontrar e processor o sinal das ondas cerebrais de uma forma aproveitável.

Controlar robôs com a mente já não é coisa apenas da ficção

Controlar robôs com a mente já não é coisa apenas da ficção

Reprodução/X-men: Primeira Classe

R7 – Ao contrário do que possamos imaginar, o controle de robôs pela mente é feito por um boné – um objeto aparentemente simples de carregar e vestir. Como funciona a miniaturização dessa tecnologia?

Dean Aslam – A versão comercial de um eletrodo só dos brinquedos EEG é rígida, grande e não muito flexíveis ou confortáveis para vestir. Os pesquisadores no laboratório do MANTL foram capazes de miniaturizar o eletrodo, os pacotes de produtos eletrônicos e uma fonte de energia através da utilização de impressão 3D para as estruturas de embalagem e bateria.

Atualmente, estamos pesquisando formas de miniaturizar ainda mais o sistema de EEG de modo que eles possam incorporar todo o sistema em uma peruca que possa ser misturada com o cabelo natural. Um sistema assim será capaz de monitorar o estado da mente 24 horas. Esse novo microssistema EEG deve estar disponível para testes nos próximos três meses e vai ajudar a estudar problemas neurais frequentes de forma pessoal, barata, não invasiva e confortável para vestir.

R7 – Há uma série de aplicações interessantes para a tecnologia, qual você acha que está mais próxima de ser lançada comercialmente?

Dean Aslam – Próteses de baixo custo e não-invasivas e sistemas pessoais de cuidado para a saúde. Acredito que estarão no mercado nos próximos 4 anos.

R7 – Essa tecnologia poderia fazer uma prótese de um braço ser controlada pela mente?

Dean Aslam – Sim, porque um de meus estudantes de doutorado está trabalhando nesta área. Quer saber mais? Confira o funcionamento do experimento da IEEE no vídeo: