Cidades

8/7/2013 às 00h10

Após prefeito mandar caçar cães no Pará, voluntários se arriscam para salvar animais sobreviventes 

Grupo ficou por quatro dias procurando cachorros retirados da cidade 

Do Domingo Espetacular

Cães resgatados chegaram a ficar até duas semanas sem comer Reprodução/Rede Record

Preocupados com a situação dos cachorros em Santa Cruz do Arari – cidade localizada na ilha do Marajó, no Pará –, voluntários saíram de diversas partes do Brasil para tentar resgatar os animais. O massacre começou após, supostamente, o prefeito do município, Marcelo Pamplona, oferecer uma recompensa em dinheiro por animal. Os moradores acreditam que cerca de 300 cães foram mortos em apenas dois dias.  

Depois de capturados, os animais eram levados para a beira do rio. Amarrados, eles eram colocados no porão de barcos. Por cada macho, a prefeitura pagava R$ 5. O preço das fêmeas era ainda maior: R$ 10 por cada uma recolhida, de acordo com o cozinheiro Aragonei dos Santos. Há duas semanas, o prefeito foi afastado do cargo por 90 dias, após uma ordem da Justiça.

Correa do Mel é coordenador do grupo Resgate Sem Fronteiras. Ele foi ao Pará com o objetivo de ajudar a salvar os cães que foram retirados da cidade e deixados em áreas isoladas, sem comida. De barco, o coordenador e outros voluntários se arriscaram nos rios da Amazônia. O desafio era salvar o maior número possível de cães.

Imagens mostram cães amordaçados e mortos após “limpa” de prefeitura no Pará

Por quatro dias e quatro noites o grupo lotou o barco de sobreviventes. A situação dos cães encontrados por Correa era de total abandono.

— Todos esses animais aqui, sofrimento total, fome, fome e mais fome, doenças e mais doenças aqui.

Os mais de cem cachorros resgatados foram levados a um abrigo. Taís Mauési é uma das responsáveis pelo local. Ela disse que os animais chegavam muito debilitados.

— Quando eles chegaram, eles nem se levantavam de tanta fraqueza, hoje já estão até brigando por comida, então é porque já estão bem.

Os cães estão passando por exames para saber se contraíram algum tipo de doença. O veterinário Gilmar Galvão explicou que muitos mudaram o comportamento após os maus-tratos

— Devido aos maus-tratos que esses animais sofreram, por isso que eles ficam arredios, mas se você perceber são animais dóceis. [...] Sequelas ficam, mas é possível se recuperar.

O grupo Resgate Sem Fronteiras deve voltar à ilha do Marajó para resgatar outros 40 cães. Os animais que estão no abrigo vão ser encaminhados para a adoção. Muitos deles já têm até interessados. 

População realiza protesto em cidade que prefeito determinou ‘limpa’ de cães

Assista ao vídeo:

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
Publicidade
Compartilhe
Compartilhe
Perfis no Facebook

Presas de Guarapuava (PR) tiram fotos sensuais e postam na internet

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Jovem, rica e bela

Saiba quem é a mulher que largou tudo para ficar com Roger Abdelmassih

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Palmas (TO)

Suspeito de estuprar e matar mulher ri ao ser preso e debocha: “Saio em 3 meses”

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Crime bárbaro

Mãe conta como matou a filha de 7 anos para ritual no PR; ossada é encontrada

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
  • Últimas de Cidades

  • Últimas de Notícias

Compartilhe
Braço amputado

Tigre ataca menino de 11 anos em zoo do Paraná ; pai responderá por lesão

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!