Doente, elefante-marinho Fred será tratado em uma casa adaptada em Guriri

Doente, elefante-marinho Fred será tratado em uma casa adaptada em Guriri

Foto: Instituto Baleia Jubart
Foto: Instituto Baleia Jubart Folha Vitória - Cidades 2
Fred está debilitado e está com infecção respiratória
Foto:Instituto Baleia Jubarte

O elefante-marinho Fred reapareceu no Espírito Santo no último final de semana e está na praia de Urussuquara, em São Mateus, na região norte do Estado. Mas, desta vez, o animal apresenta sinais de infecção respiratória, perdeu muito peso e está com a saúde comprometida.

De acordo com o médico veterinário e pesquisador do Instituto Baleia Jubarte, Milton Marcondes, o animal não pode ser tratado na praia. Ele será transferido até a manhã desta quinta-feira (26) para uma casa adaptada para recebê-lo em Guriri, no litoral de São Mateus.

Também acompanham Fred o Instituto de Pesquisa e Reabilitação de Animais Marinhos e veterinários de uma empresa privada que vieram da Bahia.

“Estes veterinários chegaram ontem ao Estado e nos reunimos para traçar a melhor estratégia de tratamento para o Fred. ”, disse Marcondes.

Para ser transferido, Fred será sedado. A sedação será gradativa devido ao peso do animal, estimado pelos especialistas entre 600 e 800 quilos.

“Assim que ele for sedado, coletaremos uma amostra de sangue e também da secreção e enviaremos para laboratório. Durante o processo, ele receberá soro sob a pele”, explicou.

Fred será sedado e amostras de sangue e secreção serão recolhidas e enviadas ao laboratório
Foto: ​Instituto Baleia Jubart

A estratégia de transferência contará com um trator e também com um caminhão. Como o elefante-marinho está em um local em que o caminhão não consegue chegar, o trator vai até a praia.

“A retroescavadeira será colocada sob o animal com ajuda de uma lona de caminhão. Este trator o levará até o caminhão, que o transportará até Guriri. Toda a ação será acompanhada por veterinários, mas teremos o menor número de pessoas possível presentes neste processo para não estressar o animal”, disse Milton.