Seguranças de boate em Santa Maria dificultaram saída de pessoas no início do incêndio, diz sobrevivente

Número de mortes na tragédia foi revisto para 232

Murilo Tiecher disse que ajudou a resgatar outras pessoas até a chegada dos bombeiros
Murilo Tiecher disse que ajudou a resgatar outras pessoas até a chegada dos bombeiros Reprodução/Facebook

O estudante de medicina Murilo de Toledo Tiecher estava na boate Kiss, em Santa Maria (RS), na madrugada deste domingo (27). Ele escreveu em uma rede social que os seguranças dificultaram a saída dos clientes logo que o fogo começou. A Brigada Militar revisou o número de mortos na tragédia para 232. O número divulgado anteriormente era de 245. Outras 48 permaneciam hospitalizadas até o início desta tarde. Murilo ainda disse que as pessoas só conseguiram deixar o local depois que derrubaram os funcionários, que insistiam em cobrar as comandas.

— Eu fui uns dos 50 primeiros a sair. No início do tumulto, tentaram segurar as portas, com os seguranças, e manter as pessoas ali pra que não saíssem da boate. Não sei se pensaram que era uma briga e não queriam que saíssem sem pagar.

Murilo ainda contou que, quando conseguiu chegar ao lado de fora, ajudou outras vítimas.

— [Nós] ajudávamos quem ainda estava preso lá dentro, puxamos muita gente pra fora até os bombeiros chegarem. O sentimento de impotência foi forte.

"Seguranças liberaram saída assim que notaram incêndio", afirma testemunha

Você estava no local? Envie seu relato

A suspeita é de que as chamas começaram durante uma apresentação pirotécnica. Uma foto publicada por um DJ que se apresentaria na casa mostra os fogos que podem ter causado o incêndio

Para a polícia, a falta de saídas de emergência e de extintores de incêndio fez com que mais pessoas morressem. O delegado Sandro Meinerz esteve no local e falou, em entrevista à rádio Guaíba, sobre os problemas que os clientes tiveram.

— É um acesso muito pequeno. Havia muita gente lá dentro. A porta virou um funil e eles tiveram dificuldade para sair. As pessoas, na hora do pânico, usam de todas suas forças para sair e muita gente acabou morrendo por causa disso.

Veja as fotos: fogo atinge boate durante festa de universitários no Rio Grande do Sul

Corrimões trancaram rota de saída

O governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, lamentou o acontecido em um vídeo publicado na internet momentos antes de embarcar para Santa Maria acompanhado da ministra Maria do Rosário, da Secretaria de Direitos Humanos.

— Recebemos hoje pela manhã esta notícia terrível de uma tragédia gravíssima na cidade de Santa Maria. Em luto ao Rio Grande, em luto ao Brasil, em luto à cidade, neste momento estou me dirigindo para lá para acompanhar o trabalho da Brigada Militar, dos bombeiros, da Polícia Civil, do Instituto Geral de Perícias. Também para compartilhar o luto da cidade, que é um luto de todo o Rio Grande, de todo o nosso País. 

A presidente Dilma Rousseff antecipou o retorno de uma viagem ao Chile para ir a Santa Maria neste domingo. Ela colocou à disposição do Estado toda a estrutura do governo federal para prestar atendimento às vítimas.

Os corpos das vítimas foram levados para o Centro Desportivo Municipal de Santa Maria. Alguns deles puderem ser identificados visualmente pelos parentes ou porque estavam com documentos, mas outros vão precisar de outros recursos para o reconhecimento.

Leia mais notícias de Cidades

Leia mais notícias na nova home do portal R7