• Twitter Created with Sketch.

Consumidores usam redes sociais para terem reclamações atendidas 

Confira dicas para fazer valer seus direitos; Código de Defesa do Consumidor completa 25 anos

Do R7*

Segundo órgão de defesa do consumidor, é melhor fazer uma denúncia contra a empresa antes de usar as redes sociais
Segundo órgão de defesa do consumidor, é melhor fazer uma denúncia contra a empresa antes de usar as redes sociais Thinkstock

Já houve um tempo em que uma carta era a única forma de enviar uma reclamação para empresas. Mas isso mudou com a popularização das redes sociais, que têm se mostrado os meios mais rápidos de contato entre consumidores e companhias.

A britânica Angie Konrad, por exemplo, postou no Twitter que o aquecimento no trem em que ela viajava tinha sido desligado. Ela não esperava que os operadores da linha ferroviária lessem a mensagem e alertassem o condutor para ligar o aquecimento, mas foi o que aconteceu.

Também no Brasil, consumidores têm recorrido aos canais das empresas no Twitter e no Facebook para se queixar de problemas de atendimento e pedir serviços — e algumas delas têm se preocupado em responder pessoalmente às reivindicações.

A Proteste, uma organização de defesa do consumidor, reconhece a importância das redes sociais nesse diálogo. O órgão afirma que a Lei do SAC (Serviço de Atendimento ao Consumidor) é “insuficiente” para melhorar a relação com as empresas e solucionar os conflitos.

“Hoje o consumidor (...) acaba tendo que recorrer às entidades de defesa do consumidor ou às redes sociais para ter seus direitos respeitados”, diz a Proteste em nota.

Planos de saúde têm cláusulas abusivas e acumulam reclamações

Confira a lista das principais queixas dos usuários de planos de saúde

As empresas estão prestando mais atenção aos comentários nas redes sociais porque uma avaliação ruim ou um comentário negativo pode ser retuitado por milhões de pessoas, e as empresas frequentemente querem neutralizar a insatisfação de um cliente rapidamente em um espaço público como o Twitter.

Na avaliação da advogada Maria Inês Dolci, coordenadora institucional da Proteste, “os consumidores vêm usando as redes para poder ter rapidamente a solução do problema”.

Além das redes sociais tradicionais, há outras páginas de internet no Brasil usadas exclusivamente para as reclamações dos consumidores. A maior delas recebe cerca de 15 milhões de acessos por mês de internautas que querem apresentar uma queixa ou pesquisar a reputação de uma empresa.

Cuidados

Essa estratégia de usar as redes sociais e a internet, contudo, não deve ser usado “indiscriminadamente”, explica Maria Inês. Os consumidores precisam ter cuidado com postagens agressivas e difamatórias.

— Houve um aumento das reclamações via redes sociais, e as empresas estão nessas redes. Mas o consumidor tem que saber reclamar para que a reclamação não se volte contra ele.

Segundo a advogada, as redes sociais não devem ser usadas somente como um canal para o “desabafo”.

— Você tem que ter uma denúncia feita, tem que ter um elemento tem que ter elementos para embasar o fato que está tratando. Se não tiver fundamento e denegrir a imagem da empresa, pode ter uma ação na justiça contra você.

Além disso, quando uma reclamação feita pela rede social é atendida pela empresa, aquele problema é solucionado apenas de forma individual, e não coletivamente, explica Maria Inês.

— Toda vez que o consumidor usar as redes sociais, ele tem que reclamar antes para a empresa e para os órgãos de controle, como o Procon. Isso é importante para que esses órgãos possam atuar de forma coletiva e ajudar outros consumidores. Se um problema é resolvido individualmente, nada garante que outros consumidores não continuarão sendo prejudicados.

Acompanhe todo o conteúdo da Rede Record no R7 Play

* com informações da BBC Brasil

  • Espalhe por aí:

Twitter

X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!
Access log
Access log