Internacional

23/1/2013 às 09h11 (Atualizado em 23/1/2013 às 11h33)

Coreia do Norte quer ampliar capacidade nuclear após receber punição da ONU

Nova resolução do Conselho de Segurança da ONU amplia sanções ao regime comunista de Pyongyang

Reuters

Coreia do Norte lançou o foguete em dezembro do ano passado 12.12.2012/Divulgação/KCNA/AP

A Coreia do Norte disse nesta quarta-feira (23) que irá ampliar sua capacidade militar e nuclear, na primeira reação do país a uma nova resolução do Conselho de Segurança da ONU que amplia as sanções ao regime comunista de Pyongyang.

A resolução, censurando a Coreia do Norte por ter lançado um foguete em dezembro, foi aprovada por unanimidade pelos 15 países do Conselho. Ela não impõe novas sanções à Coreia do Norte — apenas amplia as já existentes —, mas diplomatas disseram que o texto é significativo por ter tido o apoio da China, aliada de Pyongyang.

A resolução diz que o Conselho "deplora as violações" de resoluções anteriores que proibiam a Coreia do Norte de testar tecnologias associadas a mísseis balísticos ou a armas nucleares.

No texto, o Conselho manifestou a "determinação de tomar uma medida significativa em caso de mais um lançamento ou testes nuclear da RDPC ".

A Coreia do Norte reagiu rapidamente, dizendo que não irá mais participar de negociações para a desnuclearização da península coreana, e que irá reforçar suas capacidades militares e nucleares.

"Vamos tomar medidas para reforçar e fortalecer nosso poderio militar defensivo, incluindo a dissuasão nuclear", disse a chancelaria em nota divulgada pela agência estatal de notícias KCNA.

O enviado especial dos EUA para a Coreia do Norte, Glyn Davies, que chegou na quarta-feira a Seul para reuniões com funcionários sul-coreanos, pediu a Pyongyang que recue das novas provocações, e deixou a porta aberta ao diálogo.

— Se eles puderem começar a dar passos concretos para indicar seu interesse em voltar à diplomacia, poderão nesse processo encontrar parceiros dispostos.

As discussões multilaterais voltadas para o fim do programa nuclear norte-coreano envolvem EUA, China, Rússia, Japão e as duas Coreias. Elas são realizadas de forma intermitente desde 2003, mas estão paralisadas desde 2008.

O chanceler russo disse na quarta-feira que a Coreia do Norte deve obedecer à comunidade internacional e respeitar os limites impostos aos seus programas nucleares e de mísseis.

A Coreia do Sul diz que o Norte está tecnicamente pronto para um terceiro teste nuclear, e imagens de satélite indicam preparativos em curso no local de testes nucleares norte-coreanos. Mas analistas políticos consideram que esse teste é improvável em curto prazo.

 

O que acontece no mundo passa por aqui

Moda, esportes, política, TV: as notícias mais quentes do dia

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!