Tecelão cego usa de textura dos fios para reconhecer cores

Oliveira produz peças na máquina de tear e dá aulas para outros deficientes

Oliveira já tem dois alunos e consegue ensinar pelo tato
Oliveira já tem dois alunos e consegue ensinar pelo tato Record Minas
Artesão sabe diferenciar cores através de textua dos fios
Artesão sabe diferenciar cores através de textua dos fios Record Minas

Um tecelão com deficiência visual superou a perda da visão a se profissionalizou na produção de tapetes, na cidade de Pará de Minas, região central do estado. O homem consegue, inclusive, reconhecer as cores da peça pela textura do fio.

Antônio José de Oliveira ficou completamente cego aos 20 anos e já sabia que perderia a visão desde os 13. Apaixonado por futebol, ele acabou largando os campos e chegou a pensar que não conseguiria desenvolver mais nenhuma habilidade por causa da deficiência.

— Eu ficava pensando sobre quando minha visão fosse acabar, com o que eu ia trabalhar?

No entanto, Oliveira acabou descobrindo um talento ao frequentar a escola de artesanato da cidade. Ele se formou em tecelagem e, acostumado com a textura dos fios, já sabe identificar as cores de cada linha na máquina de tear.

O artesão trabalha todos os dias com as encomendas que recebe e faz, em média, um tapete por semana. Ele cria todos os produtos sozinho e não erra na tecelagem. As peças são detalhadas e exigem esforço e cuidado para ficarem prontas.

Leia mais notícias do R7 MG

Além do tempo que gasta tecendo para vender, Oliveira também começou a ensinar outras pessoas com deficiência visual a tear, na escola de artesanato. São dois alunos pela manhã e dois à tarde. O professor ensina usando o tato e mostra, com as mãos dos alunos, os erros feitos na máquina de tear.

Para conseguir fazer todo serviço do dia, o tecelão acorda às 5h. Além do esforço físico, ele precisa estar sempre com a memória aguçada para lembrar da ordem dos fios de cada trabalho inacabado. Mesmo com a agenda apertada, Oliveira diz estar muito satisfeito com a vida que leva hoje.

— O prazer de acordar todo dia e saber que tem alguma coisa para fazer, isso é maravilhoso.