Corpo encontrado na Rocinha é de uma mulher

Policiais mantêm buscas por Amarildo Dias, que está desaparecido há 16 dias

O corpo encontrado na tarde desta terça-feira (30) em um valão na Rocinha, na zona sul do Rio, é de Gisele da Silva Santos, de 31 anos. O cadáver estava em avançado estado de decomposição. A mulher estava desaparecida há cinco dias, e, supostamente, seria uma usuária de crack.

Com isso, seguem as buscas por Amarildo Dias, morador da comunidade que está desaparecido há 16 dias. Durante uma operação policial para combater o tráfico de drogas em 20 de julho, PMs levaram o pedreiro para uma averiguação, e, desde então, ele não foi mais visto.

A Divisão de Homicídios cogita a possibilidade de Amarildo estar morto. Pela manhã, policiais checaram denúncias de que o homem foi enterrado fora da comunidade.

A Coordenadoria de Direitos Humanos do Ministério Público também vai passar a investigar o desaparecimento. O promotor responsável pelo caso defende o afastamento do comandante da UPP da Rocinha, na zona sul, enquanto o crime não for esclarecido. 

A família de Amarildo foi atendida na Defensoria Pública do Rio de Janeiro. Os parentes vão receber assistência jurídica em ações contra o Estado. A mulher e o filho da vítima, que abriram mão do serviço de proteção a testemunhas, disseram que vão continuar a morar na Rocinha. 

O caso tem sido tema de protestos no Rio de Janeiro e em São Paulo. Manifestantes cobram explicações também na internet, transformando a pergunta "Onde está o Amarildo?" em um viral.

Sobre o sumiçoo governador do Estado, Sérgio Cabral, disse que a situação é intolerável e que investigações estão sendo feitas para descobrir o responsável pelo crime.