São Paulo

2/4/2013 às 09h22

SP quer câmeras em ônibus para multar motorista infrator

Ideia é coibir invasão de faixas exclusivas por carros e motos, teste pode sair ainda este ano

Agência Estado

Prefeitura quer instalar câmeras em ônibus para impedir invasão de corredores por carros e motos Antonio Milena/05.03.2008/Estadão Conteúdo

Para tentar coibir a invasão dos corredores exclusivos de ônibus por outros veículos, a Prefeitura de São Paulo pretende instalar nos coletivos câmeras capazes de registrar as placas de carros e motos, para depois multá-los. Com a medida, a gestão Fernando Haddad (PT) quer ampliar a velocidade média do transporte público sobre pneus, que hoje é de 13 km/h. Os ônibus "dedo-duro" podem ir a teste neste ano, como conta o secretário municipal dos Transportes, Jilmar Tatto.

— A câmera fica para fora, na frente do ônibus, e todo veículo que entra no corredor o ônibus filma ou fotografa. Depois, (a imagem) vai para uma central, já que só um agente público pode multar. É como se fosse um fiscal eletrônico.

Segundo ele, a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) ainda deve questionar o Denatran (Departamento Nacional de Trânsito) sobre possíveis entraves legais envolvendo a medida. As câmeras seriam instaladas em ônibus que não pertencem ao governo municipal, mas às concessionárias do serviço. Ou seja, em veículos privados.

Leia mais notícias de São Paulo

Na avaliação de Maurício Januzzi, presidente da Comissão de Trânsito da seccional paulista da OAB-SP (Ordem dos Advogados do Brasil), os flagrantes só poderão acontecer se esse tipo de situação estiver prevista em contrato entre a SPTrans (São Paulo Transporte) e as empresas de ônibus.

— Como a multa não é feita diretamente pelo poder público, e sim por um particular concessionário, é preciso haver previsão contratual.

Em julho, depois de uma década, a prefeitura renovará os contratos com as concessionárias e cooperativas de ônibus e essa questão pode ser incluída. Já do ponto de vista técnico não há impedimento para que os ônibus "dedo-duro" comecem a rodar. É o que diz Silvio Médici, presidente da Abeetrans (Associação Brasileira das Empresas de Engenharia de Trânsito).

— Sou favorável à utilização do meio eletrônico para reduzir a grande quantidade de infrações que são cometidas nas ruas e avenidas de São Paulo.

Para ele, a medida deve funcionar nos mesmos moldes dos atuais radares, que fotografam as placas dos infratores e depois remetem as imagens para a central da CET, onde um agente aplica a multa. Mas a eficácia, diz Médici, seria maior, pois, diferentemente dos radares, que são fixos e os motoristas sabem onde ficam, os ônibus estão em constante movimento. Portanto, ninguém teria certeza de onde pode ser visto. É um conceito associado à lógica da "sociedade disciplinar", estudada no século passado pelo filósofo francês Michel Foucault, na qual os indivíduos não conseguem discernir quando estão sendo vigiados e, portanto, acabam obedecendo às regras.

Regulamentação

O Denatran informou que, para valer, a ferramenta do ônibus "dedo-duro" deve ser regulamentada pelo Contran (Conselho Nacional de Trânsito). Antes, "a matéria deverá ser apreciada pelas câmaras temáticas, por sua complexidade, e ser submetida aos conselheiros" do órgão.

Tatto afirmou que esse tipo de fiscalização já existe em cidades como Londres e Seul.

— Não vai poder invadir mais (os corredores). Se invadir, vai ser multado.

Em 2012, 335,6 mil multas foram aplicadas a condutores vistos dirigindo fora da faixa correta. O SPUrbanuss (Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de São Paulo) se disse "favorável a toda e qualquer medida que priorize o transporte público" em detrimento do individual.

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
Publicidade
Compartilhe
Compartilhe
Assalto na Dutra

Empresário morto ao saltar de carro em movimento era fã de armas e velocidade

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Crise no abastecimento

Moradores de Itu são obrigados a improvisar para conseguir água

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
17 anos

Sessão de tortura de garota queimada com cigarro durou quatro horas

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Você moraria nestes lugares?

Veja como estão imóveis que foram cenários de tragédias em São Paulo

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
  • Últimas de São Paulo

  • Últimas de Notícias

X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!