Alzheimer pode estar relacionado a traumas cranianos, diz neurologista

Entenda a doença que acomete o ex-boxeador Maguila, internado na última quinta-feira 

Foto de 1992 mostra José Adilson “Maguila” Rodrigues dos Santos, que hoje tem 54 anos
Foto de 1992 mostra José Adilson “Maguila” Rodrigues dos Santos, que hoje tem 54 anos Agência Estado

O diagnóstico de doença de Alzheimer do ex-boxeador José Adilson “Maguila” Rodrigues dos Santos, de 54 anos, pode estar relacionado a traumas cranianos repetitivos, conforme explica o neurologista Dr. Ivan Okamoto, coordenador do Setor de Neurologia do Instituto da Memória da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo).

— Traumas cranianos importantes podem estar relacionados ao Alzheimer, mas a idade é o principal fator de risco da doença. Como envelhecer é algo natural do organismo, pode-se dizer que o Alzheimer é um problema de saúde muito prevalente na terceira idade, especialmente por causa do aumento da expectativa de vida da população.

Maguila é internado na ala psiquiátrica do HC, em São Paulo

O Alzheimer, conforme explica o médico, é uma doença que costuma aparecer, na maioria dos casos, a partir dos 60 anos e tem como principal sintoma a perda de memória.

— É um esquecimento que passa a interferir no dia a dia do paciente, ou seja, ele esquece a panela no fogo, não paga as contas em dia e assim por diante. Além disso, pode haver alterações de comportamento, como depressão, irritabilidade, agressividade, insônia ou euforia.

Entenda a relação entre Alzheimer e depressão

Segundo o Dr. Okamoto, são esses sinais que alertam a família a procurar um especialista. Apesar de evoluir de forma lenta, ele avisa que, com o passar dos anos, o quadro clínico pode se agravar e o paciente começa a perder a capacidade de falar, andar, engolir, sorrir, planejar e calcular.

— Por isso, o tratamento é fundamental. Apesar de não ter cura, a medicação consegue estabilizar ou diminuir a progressão da doença, propiciando mais qualidade de vida ao paciente.

Dificuldade para dormir pode ser sinal de Alzheimer

O Alzheimer, que atinge mais de 25 milhões de pessoas no mundo e 1 milhão no Brasil, não pode ser prevenido, mas o neurologista recomenda praticar atividade física aeróbia três vezes por semana, ler e fazer palavra cruzada “com o objetivo de melhorar a reserva cognitiva”.