Saúde

7/3/2014 às 00h10 (Atualizado em 7/3/2014 às 09h56)

HPV pode ser transmitido pelo contato com a pele, alerta médica

Especialista reforça que vacina é a melhor forma de prevenir as doenças causadas pelo vírus

Fabiana Grillo, do R7

HPV pode ser transmitido durante as preliminares, avisa médica Thinkstock

O HPV (papiloma vírus humano) é um vírus muito prevalente na população feminina e sua principal forma de contágio é via sexual. No entanto, a ginecologista Neila Speck, professora afiliada do Departamento de Ginecologia da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), alerta que não é preciso penetração para contrair o vírus.

— O HPV também pode ser transmitido pelo contato direto com a pele durante as preliminares, por exemplo. O sexo oral ou anal desprotegidos são outras formas de "pegar HPV". Embora a camisinha não seja 100% protetora neste caso, ela é fundamental na prevenção de outras doenças sexualmente transmissíveis, como hepatite, Aids, sífilis.

Segundo a médica, cerca de 80% das mulheres sexualmente ativas foram ou serão infectadas por um ou mais tipos de HPV ao longo da vida, mas apenas 10% delas desenvolvem algum tipo de lesão, que pode ser verrugas ou câncer.

— Entre as infecções causadas pelos mais de 150 tipos de HPV, a mais grave é o câncer de colo do útero. Por isso, se existe uma vacina que previne a doença, por que não tomar?

Às vésperas de campanha nacional, vacina contra HPV ainda gera polêmica entre especialistas

Meninas podem tomar vacina contra HPV sem autorização dos pais, diz Ministério da Saúde 

Embora a vacina não “blinde” o organismo de todos os tipos de HPV, Neila enfatiza que ela previne os mais graves (tipos 16 e 18), responsáveis por 70% dos casos de câncer de colo de útero. Além disso, a imunização também afasta o risco de câncer na vagina, vulva, ânus, boca e faringe.

— No caso de meninos, previne o câncer de pênis. Embora o governo não ofereça a vacina gratuitamente para este público, é possível recorrer a clínicas privadas.

Sexo oral causa mais câncer de garganta que cigarro e álcool

Entre os efeitos colaterais, a pediatra Isabella Ballalai, presidente da SBim-RJ (Sociedade Brasileira de Imunização do Rio de Janeiro), cita dor ou inchaço no local de aplicação e vermelhidão.

— Esta história de que a vacina não é segura, causaria doenças autoimunes e interrompe a ovulação não têm comprovação científica. Não tenho a menor dúvida de que a vacina é segura e eficaz.

A ginecologista da Unifesp concorda e acrescenta que “os benefícios são 300 milhões de vezes superiores aos riscos que ela representa”.

Prevenção

Mesmo vacinadas, as meninas devem exigir dos parceiros o uso da camisinha nas relações sexuais, reforçam as médicas. Além disso, Neila lembra a importância de realizar o exame ginecológico pelo menos a cada três anos.

— A infecção por HPV não causa sintoma, por isso, a mulher deve realizar o papanicolau a partir dos 25 anos, conforme o Ministério da Saúde. No caso de verrugas ou lesões na região genital, é importante procurar o médico para avaliar a causa.

Segundo a médica, a evolução do câncer de colo de útero causado pelo HPV é bem lenta, mas o diagnóstico precoce é o que determina as chances de cura.

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias

Vitrine de ofertas

Compartilhe
Imagens fortes

Médicos retiram peixe vivo de intestino de homem em Londrina (PR)

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Tristeza

Após morte trágica de filho por uso de droga, pai publica vídeo comovente

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Aparelho com defeito

Lábio de modelo “derrete” após erro de dentista: “Pareço um monstro”

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Publicidade
Compartilhe
  • Últimas de Saúde

  • Últimas de Notícias

Compartilhe
Ebola

Mulheres que teriam morrido"ressuscitam" e causam medo e pânico na Libéria

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Superação

Mães não desistem de filhas com doença rara: "É uma luta que vale a pena"

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus

Guia Mais - Saúde

Farmácia/Drogaria
Hospitais
Consultórios
X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!