Bahia Pão delícia faz sucesso e se transforma em fonte de renda para baianos

Pão delícia faz sucesso e se transforma em fonte de renda para baianos

Casal de baianos transformou pequeno negócio em empresa especializada em pão delícia

  • Bahia | Karina Oliveira, Do R7

Culinarista e apresentadora Elíbia Portela afirma ser a pioneira na produção do pão delícia (no formato comprido)

Culinarista e apresentadora Elíbia Portela afirma ser a pioneira na produção do pão delícia (no formato comprido)

Marcos Zurck

Produto tipicamente baiano, o pão delícia é o quitute que não pode faltar nas mais diversas celebrações no Estado. O produto está presente no batizado, na festa de aniversário, casamento, formatura, no café da manhã ou no lanche, entre outras comemorações. Muitos turistas também já se renderam ao sabor da iguaria. Mas, afinal, qual é o segredo do sucesso desse pão?

Leia mais notícias no R7 BA

Experimente grátis toda a programação da Record no R7 Play

A culinarista e apresentadora Elíbia Portela, que afirma ser a pioneira na produção do pão delícia (no formato comprido), revela que a produção não tem mistério e o segredo seria o ponto da massa. Elíbia afirma que batizou o produto que produzia como pão delícia da Bahia em 1982, quando estava em São Paulo.  Época que, segundo ela, o produto foi lançado nacionalmente.

— Pão delícia não é uma receita, pão delícia é uma técnica. Eu ensino a minha técnica, não peguei de ninguém.

A professora de culinária explica que é possível fazer pão de delícia com a massa de panetone, de pão integral, de pão de centeio, com qualquer massa.

E o sucesso do produto foi tão grande que a apresentadora decidiu criar oficinas específicas para ensinar a produzir o famoso pão delícia, que ocorrem duas vezes por mês. As aulas conseguem reunir pessoas da Bahia, de outros estados e, inclusive, de outros países. Os alunos vêem no pão delícia, de acordo com Elíbia, uma receita para ganhar dinheiro.

— Eu não tenho fábrica de pão delícia, eu tenho escola. 

Mesmo sendo considerada unanimidade entre os baianos, a apresentadora acha que seria um exagero comparar o pão delícia ao acarajé, quitute simbólico da culinária e cultura baiana.

Empresa baiana produz pão delícia para todos os gostos: doce ou salgado, com ou sem recheio

Empresa baiana produz pão delícia para todos os gostos: doce ou salgado, com ou sem recheio

Marcos Zurck

Quem quer pão?

Um casal de baianos também acreditou no “potencial” do pão delícia e conseguiu transformar um pequeno negócio em uma empresa especializada em produtos para festa, que tem como carro-chefe o pão.

Segundo o diretor de marketing da empresa baiana, Leonardo Schettin, a empresa foi a primeira a produzir o pão delícia. No início, eram comercializados apenas o sabor tradicional, sem recheio. Aos poucos, a linha de produção foi crescendo e outros produtos começaram a ser implementados.

—A gente foi pioneira em vários aspectos: no formato do pãozinho, mais compridinho, na ideia dos recheios para os pãozinhos, no delivery.      

No mercado há 23 anos, a empresa produz pão delícia para todos os gostos: doce ou salgado, com ou sem recheio. Os apreciadores da iguaria podem escolher entre os recheios de atum, frango defumado, lombinho, peito de peru, Romeu e Julieta, chocolate e doce de leite.

 “Tem toda uma forma de fazer, que aí que estão todos os detalhes da produção. Então, é um produto feito manualmente, artesanalmente, até hoje”.

Em média, ainda segundo o diretor de marketing, a empresa costuma comercializar mais 100 mil pãozinhos, por mês. O mais pedido é o tradicional.

Schettin descorda de Elíbia e acredita que o pão delícia pode ser considerado tão simbólico para a Bahia como o acarajé.

— Já é um ícone tão importante quanto o acarajé. Talvez, ele não tenha o mesmo conceito fora da Bahia, de conhecido das pessoas que o pãozinho é típico da Bahia. Mas, a gente percebe também que, cada vez mais, pessoas estão adquirindo esse conhecimento de que o pãozinho é um produto típico da Bahia. 

Ainda que saudável, há certa disputa sobre a criação do pão delícia. Mas, pioneirismo a parte, o quitute enche os olhos e a boca de muitos baianos e turistas.  

Últimas