"Aeroportos em regiões centrais são danosos para a aviação", diz ministro da Aviação Civil

Para Moreira Franco, espalhar aeródromos melhora os resultados do transporte no Brasil

"Aeroportos em regiões centrais são danosos para a aviação", diz ministro da Aviação Civil

Ministro da Aviação Civil diz que sugeriu a governadores para indicar áreas nas grandes cidades para construção de aeroportos

Ministro da Aviação Civil diz que sugeriu a governadores para indicar áreas nas grandes cidades para construção de aeroportos

Fredy Uehara/28.07.2014/Divulgação

O modelo centralizado de construção de aeroportos pode ser um risco não só para o crescimento do mercado de aviação como também para a própria segurança da população. Para Moreira Franco, ministro-chefe da Secretaria de Aviação Civil, é preciso mudar esse sistema no Brasil, onde as construções são feitas em regiões densamente povoadas.

— Isso [o modelo centralizado de aeroportos] é altamente danoso para a aviação, para o crescimento e para a própria segurança.

Franco, que participou de um encontro com empresários do grupo Lide (Grupo de Líderes Empresariais) na capital paulista, ainda relatou que sugere alternativas quanto a implementação de novos aeródromos no Brasil.

— Temos que pensar em acompanhar o mercado, que cresce a taxas significativas, criando alternativas fora dos centros urbanos. A recomendação que tenho dado aos governadores é que procurem áreas nas regiões metropolitanas de suas cidades para que nós possamos construir os novos aeroportos.

Leia mais matérias de Brasil no R7

Em São Paulo, Porto Alegre e Vitória os aeroportos são construídos em áreas centrais, destacou o ministro.

— Em Vitória, nós tivemos que mandar derrubar dois andares de um prédio que a prefeitura autorizou construção, porque dificultava a linha de aproximação [dos aviões].

Privatizações

O ministro, quando questionado sobre privatizar os aeroportos, com as concessões como as realizadas em Confins e Guarulhos, o ministro confirmou a intenção da pasta nesta linha a longo prazo.

— Nós temos um programa, uma política para o setor. Uma das estratégias dessa política é exatamente a privatização. Nós fizemos isso, não só nos principais aeroportos, como também eu tenho autorizado vários aeroportos para voos executivos.