Brasil Bolsonaro 'com toda certeza' agirá caso petróleo continue a subir

Bolsonaro 'com toda certeza' agirá caso petróleo continue a subir

Presidente não quis opinar sobre como o Brasil vê a atitude dos EUA em relação ao líder militar iraniano. Também não disse se falou com Trump

Reuters
Bolsonaro não quis falar sobre bombardeiro dos EUA

Bolsonaro não quis falar sobre bombardeiro dos EUA

Adriano Machado/Reuters

O presidente Jair Bolsonaro afirmou na tarde desta sexta-feira (3) que, caso continue a alta do petróleo, após o ataque dos EUA ao general iraniano Qassem Soleiman, "com toda certeza" vai tomar uma providência.

"Com toda a certeza", disse o presidente a jornalistas ao ser perguntado se será preciso tomar uma providência sobre a alta dos preços, após visitar a mulher, Michelle Bolsonaro, em um hospital em Brasília.

Leia também: Bolsonaro tenta falar com Petrobras sobre possível alta de combustíveis

"Conversei com Almirante Bento (ministro de Minas e Energia), presidente da Petrobras (Roberto Castello Branco) e (o ministro da Economia) Paulo Guedes e nós temos uma linha de não interferir, acompanhar, buscar soluções", acrescentou.

Bolsonaro afirmou ainda que, nesse hipótese, poderia apelar para os governadores.

Leia também: General iraniano foi morto "para parar uma guerra", diz Trump

"Vamos supor que aumente 20% (o petróleo), vai aumentar 20% o ICMS. Será que não dá para os governadores cederem? Todo mundo perde. Toda nossa economia é afetada nessa questão", completou.

Bolsonaro disse ter conversado ao longo do dia com o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, e aprofundou a discussão do assunto e traçou uma estratégia de como proceder no desenrolar dos fatos.

"A coisa que mais me preocupa é a possível alta do petróleo, que esta em torno de 5% no momento", disse. "Conversei com o presidente da Petrobras também, a exemplo do que aconteceu na Arábia Saudita o ataque de drones, em poucos dias voltou a normalidade e espero que aconteça agora também", destacou.

Leia também: EUA enviam 3.000 soldados para reforçar tropas no Oriente Médio

O presidente não quis opinar sobre como o Brasil vê a atitude dos EUA em relação ao líder militar iraniano. Também não quis dizer se conversou com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que ordenou o ataque contra o iraniano Qassem Soleimani.

"Eu não tenho o poderio bélico que o americano tem para opinar neste momento. Se tivesse, opinaria", disse, ao frisar que está descartada uma nota do Itamaray em relação à operação dos EUA.

Bolsonaro visitou Michelle, que passou por um procedimento cirúrgico e terá alta na manhã de sábado.

Últimas