Brasil Brigadistas de ONG de Alter do Chão são soltos após decisão da Justiça

Brigadistas de ONG de Alter do Chão são soltos após decisão da Justiça

Foram libertados Daniel Gutierrez Govino, João Victor Romano, Gustavo de Almeida Fernandes e Marcelo Aron Cwerner, presos desde o dia 26

Brigadistas estavam presos desde o dia 26

Brigadistas estavam presos desde o dia 26

REUTERS/Bruno Kelly

O juiz Alexandre Rizzi, da 1ª Vara da Comarca de Santarém, mandou soltar os quatro membros da ONG Brigadas de Alter do Chão, que estavam detidos desde a quarta-feira, 26. Foram libertados Daniel Gutierrez Govino, João Victor Pereira Romano, Gustavo de Almeida Fernandes e Marcelo Aron Cwerner. Eles são ligados aos brigadistas de Alter do Chão e ao Instituto Aquífero Alter do Chão e ao Projeto Saúde e Alegria.

A defesa dos membros da ONG já tinha sido solicitada ontem pela defesa, mas havia sido negada pelo juiz. Nesta quinta-feira (28), o governador do Pará, Helder Barbalho, anunciou a troca do delegado que cuida do caso. A presidência do inquérito, que estava a cargo da Polícia Civil de Santarém, agora terá o comando do diretor da Delegacia Especializada em Meio Ambiente, Waldir Freire.

De acordo com Barbalho, a mudança é "para que tudo seja esclarecido da forma mais rápida e transparente possível". O governador disse ainda que "ninguém está acima da lei, mas também ninguém pode ser condenado antes de esclarecer os fatos".

O Ministério Público Federal afirmou que, até o momento, não há provas que apontem ligação dos membros da ONG aos incêndios ocorridos em setembro na região. Cerca de 180 entidades ambientalistas e de direitos humanos criticaram a prisão dos brigadistas por suspeita de ligação com incêndios florestais no Pará.

A WWF – organização que, segundo a Polícia Civil, teria sido vítima de desvio de verba pelo grupo suspeito – condenou “a falta de clareza” sobre a investigação. Disse ainda repudiar “ataques a seus parceiros e as mentiras envolvendo o seu nome”.