Delação que citou Sabesp não tem nenhuma procedência, diz Alckmin

Governador diz que obra citada foi licitada em 2006 e teve o contrato encerrado em 2010

O governador Geraldo Alckmin

O governador Geraldo Alckmin

Marivaldo Oliveira/30.03.2017/Codigo19/Folhapress

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou nesta terça-feira (25) que não tem procedência a vinculação de uma obra da Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) a supostos pagamentos ilícitos para as campanhas eleitorais em 2014 do PSDB, conforme delatou o ex-presidente da Odebrecht Benedicto Júnior no acordo de colaboração premiada com a Operação Lava Jato.

Em resposta à delação, Alckmin disse que a obra citada foi licitada em 2006, teve o contrato assinado em 2007 e encerrou em 2010. "Essa informação não tem nenhuma procedência. O contrato acabou faz sete anos", disse o tucano, em entrevista coletiva após o leilão de concessão da Rodovias dos Calçados.

O governador falou ainda que "é preciso ter cuidado" com uma delação premiada e que a denúncia envolvendo a Sabesp não pode ter relação entre o contrato e eventuais doações para campanhas.

"É preciso ter cuidado com delação, tem muita coisa que não tem nada, nem relação de uma coisa com a outra", falou.

Planilhas entregues aos investigadores da Lava Jato por Benedicto Júnior vinculam uma obra Sabesp a pagamentos ilícitos para as campanhas eleitorais em 2014 do governador Geraldo Alckmin e do deputado federal João Paulo Papa, ambos do PSDB. Esta é a primeira vez que a estatal paulista que trata água e esgoto é envolvida no esquema de corrupção.

Leia mais notícias de Brasil