Brasil É uma trágica coincidência, diz Lira sobre desfile militar em Brasília

É uma trágica coincidência, diz Lira sobre desfile militar em Brasília

Para alguns deputados, o evento foi visto como uma tentativa de intimidação do Congresso no dia da votação do voto impresso

Agência Estado
Arthur Lira, que classificou desfile militar como uma "trágica coincidência"

Arthur Lira, que classificou desfile militar como uma "trágica coincidência"

RecordTV/Reprodução

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), classificou como uma "trágica coincidência" a realização de desfile militar nesta terça-feira (10) convocado pela Marinha nos arredores do Congresso Nacional, em Brasília, pela manhã. Segundo informou a Força Armada, em nota, um comboio de veículos militares blindados fará parte de exercício militar, a Operação Formosa, promovido pela Marinha e que pela primeira vez contará com a participação do Exército e da Força Aérea.

No mesmo dia, está prevista a votação da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) do voto impresso pela Câmara. Para alguns parlamentares, o exercício foi visto como uma tentativa de intimidação do Congresso e de influenciar o resultado da votação.

"Não é usual", disse o presidente da Câmara sobre o exercício militar. "E não sendo usual, em um país polarizado do jeito que o Brasil está, isso dá cabimento para que se especule tratar de algum tipo de pressão. Entramos em contato com o Palácio do Planalto, falei com o presidente Bolsonaro e ele garantiu não haver esse intuito", afirmou o parlamentar. Segundo Lira, em entrevista a O Antagonista, o desfile não deve causar problemas à votação, mas caso parlamentares e a população achem conveniente, seria possível adiar a votação da PEC.

"Essa Operação Formosa acontece desde 1988 aqui em Goiás com movimentações da Marinha. Esse ano serão acrescidos o Exército e a Aeronáutica. Então não é uma coisa que foi inventada, mas também nunca houve desfile na Esplanada dos Ministérios para ir a Formosa (GO) e parar na frente do Palácio do Planalto", afirmou Lira.

Últimas