Brasil Eduardo Ramos: reforma tributária vai passar "com menos estresse"

Eduardo Ramos: reforma tributária vai passar "com menos estresse"

Empossado como ministro em 4 de julho para melhorar a articulação política do governo, general se considera um expert na busca de consensos

  • Brasil | Marcos Rogério Lopes, do R7

Novo ministro prefere não ser chamado de general

Novo ministro prefere não ser chamado de general

RENATO S. CERQUEIRA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

O ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República, Luiz Eduardo Ramos, afirmou na tarde desta sexta-feira (19), em São Paulo, que a reforma tributária vai ser aprovada, e "com menos estresse" que a da Previdência. De acordo com o novo titular da pasta, empossado em 4 de julho com o objetivo de melhorar a articulação política do governo do presidente Jair Bolsonaro, a demora nas votações é natural, afinal é preciso dar espaço para os parlamentares se posicionarem. "Deputados e senadores se sentem importantes ao falar e precisam ser ouvidos. Quero conversar com todo mundo, independentemente da filiação partidária", garante.

Leia mais: Anúncio de reforma tributária deve ser feito por Guedes neste mês

O novo ministro defende que a aprovação das alterações nas aposentadorias mudará o ambiente de confiança no país e facilitará a aprovação de outras reformas, começando pela tributária. "É uma mudança que tem impacto (econômico) similar ao da Previdência, mas que passará com menor grau de dificuldade."

Veja também: ‘Orem por mim’, diz novo secretário de Governo

Eduardo Ramos lembrou sua vasta experiência em campanhas internacionais pelo Exército para explicar como tem tentado acalmar os ânimos no Congresso. "Eu fui à casa do (Presidente da Câmara) Rodrigo Maia (a quem, aliás, pediu uma salva de palmas) e falei também com o (Davi) Alcolumbre (senador do DEM-AP que preside o Senado). A ambos disse que faria de tudo para que as coisas corressem da melhor forma possível, com seriedade e de maneira transparente e correta."

Segundo Ramos, Rodrigo Maia se surpreendeu com sua sinceridade. "É o meu jeito de ser, meu estilo é o de buscar sempre uma convergência nos interesses." O ministro recorda que uma de suas missões, na década de 1990, foi se sentar na mesa com sérvios, croatas e muçulmanos na antiga Iugoslávia durante a crise que culminou na desintegração do país em várias nações. "Minha vida inteira eu fui um negociador, um harmonizador", define-se.

Outras de suas funções foi coordenar a missão de paz no Haiti, em 2011, e ser o responsável pelas ações de segurança no Rio de Janeiro durante a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos, de 2016, além de ter atuado como comandante militar do Sudeste.

Considera-se um expert em contornar impasses e diz que foi assim que convenceu diversos deputados a aprovarem no dia 10 de julho a reforma da Previdência – por 379 votos a favor, com 131 contrários. "Não dei dinheiro a ninguém, não é assim que se trabalha", declara. Mas admite que o governo antecipou verbas para emendas de parlamentares. "Pedidos importantes, dentro da lei, de forma justa e legal. É dessa forma que se faz política", justifica.

Ele aproveitou a maior parte de seu discurso para tentar convencer os empresários presentes no auditório do hotel Grand Hyatt, na zona sul da capital paulista, de que o governo de Bolsonaro é bom e tem pontos positivos. "Não tenho nada contra a mídia", diz. "Mas não dão destaques a muitas coisas boas", conclui. A seguir mostrou um slide no qual se viam quatro manchetes de jornais, todas com o mesmo anúncio: do acordo entre a União Europeia e o Mercosul, fechado no fim de junho. 

Ramos abriu o almoço-debate agradecendo ao governador de São Paulo, João Doria (PSDB), que o antecedeu no discurso, por chamá-lo pelo nome completo, e não pela patente do exército. "Tive 46 anos no exército e cheguei a general. Me orgulho muito disso, mas no momento prefiro ser citado como ministro, cargo que representa esse novo desafio em minha vida profissional", explica.

Últimas