Brasil Estúdio News fala sobre o impacto da lei da Sociedade Anônima de Futebol para os clubes

Estúdio News fala sobre o impacto da lei da Sociedade Anônima de Futebol para os clubes

Programa deste sábado (3) recebe José Francisco Manssur e Lucas de Paula

José Francisco Manssur e Lucas de Paula participam do Estúdio News desta semana

José Francisco Manssur e Lucas de Paula participam do Estúdio News desta semana

Divulgação

A Sociedade Anônima do Futebol (SAF) vem propor uma mudança de organização com o objetivo de trazer novos recursos aos clubes de futebol, que podem passar a ser sociedades anônimas e ter ações vendidas ao mercado.

Desde a sua edição, em agosto de 2021, a lei da SAF tornou-se uma das soluções para a inserção de capital em times como Botafogo, Vasco e Cruzeiro, clubes adquiridos por grupos de investidores.

José Francisco Manssur, especialista em Direito Desportivo e coautor do projeto de lei que deu origem à lei da SAF, explica que a injeção de dinheiro novo nos clubes brasileiros visa melhorar o desempenho esportivo e econômico, trazendo como consequência uma reorganização da própria gestão.

Segundo Lucas de Paula, sócio co-fundador da OutField, na Europa e em outros lugares do mundo a média na qualidade da gestão será melhorada e superior ao que temos visto nos últimos 100 anos.

Manssur ressalta que o foco do novo modelo de organização é desenvolver um segmento econômico.

“O objetivo é pegar o futebol, que é tão importante na nossa cultura como nação, na nossa sociedade, afinal somos protagonistas no futebol mundial, e transformar efetivamente em um segmento econômico que movimente dinheiro, que gere mais empregos do que já gera, que faça com que nossos clubes ocupem um espaço de protagonistas como uma seleção brasileira ocupa”, destaca o advogado.

Lucas acrescenta que clubes médios podem virar gigantescos, pois a SAF não é apenas um caminho para clubes que estão em maus lençóis. “Temos que desmistificar que nem sempre só clubes com grandes dívidas virarão SAF, clubes com dívidas organizadas ou saudáveis também poderão virar. A inserção de capital terá outro destino, não necessariamente a equalização de dívidas, ela pode ter um destino para cash in, para investimento na parte esportiva, para ter elencos mais fortes, com uma melhor plataforma de sócio torcedor e de ticketeira”, explica o executivo. 

Trazer possibilidades e proporcionar a cada clube encontrar o seu modelo ideal é a proposta, conforme completa Manssur.

“Nós quisemos fazer um projeto de lei que fosse liberal, no sentido de que não colocasse as amarras, para que cada clube tivesse autonomia e flexibilidade de decidir o melhor modelo para ele. Como no caso do Cruzeiro e do Botafogo, que transferiram 90% das ações da SAF, e do Vasco, que transferiu algo em torno de 70%, cada clube vai encontrar seu modelo. Nós não quisemos invadir a esfera da autonomia do clube de decidir se ele quer vender 10% das ações, 50% das ações, 60, 90 ou 100%”, diz o coautor do projeto de lei.

O Estúdio News vai ao ar aos sábados, às 22h30. A Record News é sintonizada pelos canais de TV fechada 55 Vivo TV, 78 Net, 32 Oi TV, 14 Claro, 19 Sky e 134 GVT, além do canal 42.1 em São Paulo e demais canais da TV aberta em todo o Brasil.

Últimas