Brasil Facebook elimina live de Bolsonaro por associar vacina da Covid à Aids

Facebook elimina live de Bolsonaro por associar vacina da Covid à Aids

Esta é a primeira vez que a rede social elimina sua conexão semanal; conteúdo também foi retirado do Instagram

  • Brasil | Do R7, com informações da AFP

Live de Bolsonaro na quinta-feira

Live de Bolsonaro na quinta-feira

reprodução

O Facebook eliminou um vídeo da última quinta-feira (21) em que o presidente Jair Bolsonaro mencionou uma informação falsa que circula pelas redes sociais associando a vacina contra o coronavírus e a Aids.

Embora o Facebook já tenha removido conteúdo do presidente relacionado com a Covid, é a primeira vez que elimina sua conexão semanal na rede social.

Bolsonaro citou a existência de uma mensagem que diz que há relatórios oficiais do Governo do Reino Unido que "sugerem" que os totalmente vacinados estão desenvolvendo Aids "muito mais rápido que o previsto". 

"Recomendo que leiam a notícia. Não vou ler aqui porque posso ter problemas com a minha 'live'", disse o presidente.

A informação, compartilhada ao menos 390 vezes por usuários de redes sociais desde 20 de outubro, foi desmentida pelo governo britânico ao serviço de checagem de fatos da AFP.

A Sociedade Brasileira de Infectologia esclareceu no sábado em um comunicado que "não se conhece nenhuma relação entre qualquer vacina contra a Covid-19 e o desenvolvimento da síndrome de imunodeficiência adquirida". 

Nesta segunda-feira pela manhã, não era possível acessar o vídeo nas contas do presidente no Facebook e Instagram — rede social do mesmo grupo.

"Nossas políticas não permitem alegações de que as vacinas contra a Covid-19 matam ou podem causar danos graves às pessoas", declarou um porta-voz da empresa. Os estudos científicos mostraram até agora que as vacinas anti-Covid são seguras.

Em março, o Facebook retirou um vídeo no qual Bolsonaro, um crítico das medidas preventivas e das vacinas anti-Covid, incentivava as aglomerações, em um momento em que o Brasil contava 2.500 mortes diárias por coronavírus. 

O vídeo foi eliminado de suas contas do Facebook e Instagram.

O presidente costuma ser acusado de espalhar notícias falsas. Em agosto, o Supremo Tribunal Federal decidiu investigá-lo por crimes de "calúnia" e "incitação ao crime", entre outras causas relacionadas aos seus questionamentos sem provas do sistema de voto eletrônico no país.

Últimas