Brasil Greve geral afeta transportes e muda rotina do brasileiro pelo país

Greve geral afeta transportes e muda rotina do brasileiro pelo país

Manifestantes protestam contra o projeto de reforma da Previdência apresentado pelo governo. Parecer do relator foi lido na quinta-feira (13)

Greve

Metrô em São Paulo opera parcialmente

Metrô em São Paulo opera parcialmente

Roberto Casimiro / Estadão Conteúdo / 14.06.2019

Várias cidades brasileiras sofrem os reflexos da greve geral contra a reforma da Previdência na manhã desta sexta-feira (14). Os protestos afetam especialmente os transportes nas grandes cidades.

O parecer da reforma foi apresentado pelo relator, Samuel Moreira, na quinta-feira (13) em sessão na Comissão Especial da Reforma da Previdência

Rio Grande do Sul

Em Porto Alegre, o metrô não está funcionando, mas os ônibus circulam normalmente. 

Houve bloqueio em rodovias, como os dois sentidos da ERS-122 entre Caxias do Sul e Farroupilha, na Serra. Neste local, manifestantes trancam trânsito por 10 minutos e depois liberam por 20 minutos. 

Em Pelotas, as manifestações começaram por volta das 4h e a previsão é de que haja protestos no início da tarde. A previsão é de que os manifestantes se concentrem às 14h no Mercado Público e, em seguida, caminhada no centro de Pelotas.

Paraná

Em Curitiba, ônibus bloquearam ruas e garagens de empresas de transportes durante a manhã. Segundo o Sindimoc (Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana), 40% da frota amanheceu parada em Curitiba e 25% na Grande Curitiba. 

Espírito Santo

No centro de Vitória, manifestantes interditaram o trânsito nos dois sentidos. Já na Terceira Ponte, duas vias foram fechadas logo no começo da manhã.

Distrito Federal

O metrô do Distrito Federal, de greve há 42 dias, está rodando com 70% dos trens em horário de pico e 30% fora dele. Também foi observada alta quantidade de ônibus e vans na rua fazendo transporte pirata. 

A passagem neste tipo de transporte chega a R$ 10 em algumas lotações. 

Por causa das dificuldades com os transportes, observa-se grande quantidade de veículos nas ruas, bem como o aumento de pequenos acidentes. 

Paraíba

Em João Pessoa, os moradores enfrentam problemas no trânsito com ruas interditadas. 

Pneus estão sendo queimados e os manifestantes usam veículos para também impedir a passagem do trânsito.

São Paulo

O sistema municipal de transporte público opera com 100% das 1.207 linhas previstas para a faixa horária das 6h, segundo a SPTrans, com 97% da frota de veículos em operação. Os 29 terminais municipais estão com operação de ônibus. Apesar da paralisação prevista para hoje contra a Reforma da Previdência, segundo a SPTrans, nenhuma operadora tem interrupção na saída da frota.

Técnicos estão nas ruas desde a madrugada, monitorando a operação do transporte público e orientando passageiros nos terminais e pontos estratégicos da cidade. De acordo com a SPTrans, houve o prolongamento e criação de linhas e reforço da frota.

Alagoas

Protestos em ruas e avenidas de Maceió impedem a circulação de veículos. Em Bebedouro, integrantes do Sindicato dos Trabalhadores na Educação (Sinteal) fecharam a Avenida Major Cícero de Góes Monteiro, em frente à Praça Lucena Maranhão, até por volta das 8h, quando foi negociada a liberação com a Polícia Militar.

Há bloqueio na Avenida Cachoeira do Meirim, no Benedito Bentes; na saída de Satuba em direção a Maceió; na BR-424, em Pilar; e há previsão de protesto para a Avenida Durval de Góes Monteiro, em frente ao Makro.

A ponte Divaldo Suruagy, que liga a Capital a Marechal Deodoro, e a entrada do Porto de Maceió foram fechadas no início da manhã, mas logo foram liberadas, com a ação da polícia.

Rio de Janeiro

Segundo a Metrô Rio, as linhas 1, 2 e 4 do metrô carioca funcionam normalmente na manhã desta sexta. Os trens da SuperVia também operam normalmente. 

Também houve interdições em vias importantes da capital fluminense e o tempo de travessia da Ponte Rio-Niterói chegou a quase 1h30.

Bahia

O MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) realizou o fechamento da BR 235-Casa Nova, com cerca de 200 pessoas. O metrô opera normalmente em Salvador desde às 5h. Já os ônibus não operam nesta sexta. Como a frota convencional não está nas ruas, a prefeitura de Salvador autorizou a circulação do transporte escolar e do sistema complementar. 

Os trens, que atuam no subúrbio ferroviário, assim como os ônibus, não estão circulando pela cidade. Há também bloqueio de avenidas importantes como a região da Rótula do Abacaxi e Acesso Norte, onde manifestantes impedem o acesso às vias pelos veículos desde o início do dia. A Polícia Militar tem atuado para tentar fazer com que as lideranças do ato liberem ao menos parte das vias, possibilitando o fluxo dos veículos.

A informação do Sindicato dos Rodoviários do Estado da Bahia é de que nenhum dos cerca de 2,7 mil veículos da frota regular deverá circular durante todo o dia.

Santa Catarina

A prefeitura de Florianópolis disponibilizou 300 veículos e micro-ônibus nesta sexta para auxiliar a população da cidade. Os carros sairam a partir das 5h30 dos bairros e percorrer as principais vias de cada região, parando nos pontos de ônibus. 

Em Blumenau, os corredores de ônibus, com exceção do contrafluxo da Rua Dois de Setembro, foram liberados aos demais veículos das 3h30 às 8h. 

Rio Grande do Norte

A Prefeitura de Natal informa que todas as empresas estão com ônibus em circulação, mas com frota reduzida. Segundo a gestão municipal, o Sistema de Transporte Coletivo deve operar com no mínimo 30% da frota.

Também será permitido que os veículos do serviço de transporte escolar, táxis, de transporte da região metropolitana e de turismo autorizados pelo Departamento de Estradas de Rodagens (DER) circulem no itinerário das linhas de ônibus.

Minas Gerais

O metrô de Belo Horizonte está totalmente parado. Além disso, algumas rodovias de Minas Gerais estão bloqueadas nesta sexta-feira (14). Outros serviços estão funcionando parcialmente, entre eles escolas e hospitais, mas balanços ainda não foram divulgados oficialmente.

Veja imagens da paralisação na cidade de São Paulo: