Brasil Laboratórios veterinários devem produzir vacinas contra covid-19

Laboratórios veterinários devem produzir vacinas contra covid-19

Com aval de Bolsonaro, negociação avança e produção deve iniciar nos próximos meses. A articulação envolve empresas e o Senado

Agência Estado
Wellington Fagundes (PL-MT) é autor do projeto e relator da comissão de acompanhamento da covid-19 no Senado

Wellington Fagundes (PL-MT) é autor do projeto e relator da comissão de acompanhamento da covid-19 no Senado

Edilson Rodrigues/Agência Senado

Laboratórios veterinários avançaram na negociação para começar a produzir vacinas contra a covid-19 nos próximos meses. A articulação envolve as empresas, o Senado e recebeu aval do presidente Jair Bolsonaro nesta semana. Em reunião com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), nesta sexta-feira (16), técnicos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e dos ministérios da Saúde e Agricultura também sinalizaram apoio à iniciativa.

O Senado deve votar na próxima semana um projeto autorizando que as plantas industriais destinadas à fabricação de produtos de uso veterinário sejam utilizadas na produção de vacinas contra a covid-19 no Brasil. De acordo com a proposta, a Anvisa dará prioridade para os pedidos de autorização dos laboratórios do agronegócio e também vai priorizar a análise do licenciamento das vacinas que forem desenvolvidas por essas empresas.

A Anvisa confirmou a viabilidade para produção de vacinas contra a covid-19 em laboratórios veterinários no Brasil, mas ponderou que o desenvolvimento precisa atender condições sanitárias. Os técnicos ainda avaliam o conteúdo do projeto do Senado. "Entendemos que há viabilidade, desde que atendidas as condições sanitárias estabelecidas pela Anvisa", afirmou a agência. O órgão disse que participa de conversas com laboratórios do agronegócio, senadores e Ministério da Agricultura sobre a iniciativa.

Em conversa na última terça-feira (13) com o senador Wellington Fagundes (PL-MT), autor do projeto e relator da comissão de acompanhamento da covid-19 no Senado, no Palácio do Planalto, Bolsonaro prometeu que ia pedir agilidade no Ministério da Saúde para a discussão.

Alternativa robusta

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, já havia recebido a demanda de Fagundes e Pacheco no último sábado (10). Na quinta-feira (15), o presidente da Anvisa, Antonio Barra, conversou com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, entusiasta da ideia. “Temos uma alternativa robusta, que pode tirar o Brasil do epicentro da covid-19 para a condição de ser um dos maiores exportadores de vacina em todo mundo", afirmou Fagundes.

Somente nesta sexta-feira (16) a Anvisa participou de quatro reuniões com empresas fabricantes de vacina animal e ainda deve realizar uma inspeção nas plantas fabris. De acordo com a agência, será necessário avaliar se a demanda das empresas atende às condições de boas práticas de fabricação do insumo farmacêutico ativo biológico para uso humano para só então conceder as autorizações.

Cabe à Anvisa dar aval para a fabricação, verificando se as companhias cumprem os requisitos sanitários. Não há um prazo para essas autorizações. Em alguns casos, os técnicos podem exigir adaptações na fábrica para a produção do imunizante humano.

Febre aftosa

Com a estrutura pronta para a produção de imunizantes contra a febre aftosa, por exemplo, os laboratórios e defensores do projeto argumentam que é possível desenvolver as doses contra o coronavírus para uso humano. Além disso, as empresas também afirmam que é possível produzir o Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA), insumo para a vacina, hoje o principal gargalo na demanda mundial.

Para isso, porém, precisam fechar contratos de transferência tecnológica com produtores internacionais. Pelo menos três laboratórios estão envolvidos na negociação: Merck Sharp & Dohme, Ceva Brasil e Ouro Fino. As empresas tentam um acordo, por exemplo, com o laboratório chinês Sinovac, que produz a vacina do Butantan.

Últimas