Novas manchas de óleo reaparecem em oito praias do Nordeste

Localidades do Rio Grande do Norte foram afetadas pelas manchas de óleo que atingem a região Nordeste desde 2 de setembro

Manchas de óleo reaparecem em oito praias do Nordeste

Manchas de óleo reaparecem em oito praias do Nordeste

BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM/ESTADÃO CONTEÚDO - 18.10.2019

Novas manchas de óleo foram encontradas em praias do litoral sul do Rio Grande do Norte. De acordo com o Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente do Rio Grande do Norte (Idema), os pontos mais críticos foram as praias de Búzios e Tabatinga.

Leia também: Mancha de óleo: Exército e Marinha ignoram recomendação de proteção

Também foram detectados vestígios de óleo nas Praias do Amor e do Giz, ambas em Tibau do Sul; em Camurupim, no município de Nísia Floresta; e em Pirangi do Norte, em Parnamirim. Ainda segundo o Idema, a Organização não Governamental (ONG) Oceânica afirma ter identificado, durante mergulhos na área dos Parrachos, em Pirangi do Norte, "pequenas manchas flutuantes" de óleo.

Nota divulgada pelo Grupo de Avaliação e Acompanhamento (GAA) do governo federal informou que foram mobilizadas equipes para atuar na limpeza de oito praias, onde foi observado o reaparecimento de óleo.

Veja mais: A Batalha anônima para remover o óleo em Pernambuco

As praias estão localizadas em cinco estados da região do nordeste, sendo elas: Via Costeira e Búzios-RN, Conceição e Itapuama-PE, Japaratinga e Piaçabuçu-AL, Abaís-SE, Morro de São Paulo e Moreré-BA. As equipes de limpeza prontamente combateram as manchas de óleo nesses locais. 

Em Moreré-BA foi observado presença de manchas e, em Japaratinga, foram visualizadas apenas pelotas. Ambas as praias estão em processo de limpeza.

Equipes de limpeza atuaram no manguezal de Mambucaba-PE com um total de 30 militares da Marinha, sendo 3 mergulhadores, e 50 do Exercíto. As vistorias por navios, o monitoramento aéreo e as ações de limpeza irão continuar até o encerramento das reincidências desse óleo nas praias nordestinas. 

Nesta segunda-feira, foram empregados 8 navios e 80 viaturas da Marinha, totalizando mais de 2 mil militares, 6 aeronaves, sendo uma da Marinha, 2 helicópteros da Força Aérea Brasileira, 2 helicópteros do Ibama e 1 helicóptero da Petrobras.

O óleo atingiu a região do Nordeste desde 2 de setembro. As causas do vazamento ainda são desconhecidas. Até agora foram afetadas 254 localidades, em 92 cidades da região.

MPT cria grupo para apurar impactos

O Ministério Público do Trabalho informa que o procurador-geral, Alberto Balazeiro, instituiu nesta segunda-feira (28) um grupo de trabalho “para apurar os impactos na saúde e na economia de trabalhadores afetados pelo vazamento de óleo no litoral brasileiro”. O grupo ficará sob a coordenação da procuradora Flávia Bauler.