Brasil Novas manchas de óleo reaparecem em oito praias do Nordeste

Novas manchas de óleo reaparecem em oito praias do Nordeste

Localidades do Rio Grande do Norte foram afetadas pelas manchas de óleo que atingem a região Nordeste desde 2 de setembro

Manchas de óleo reaparecem em oito praias do Nordeste

Manchas de óleo reaparecem em oito praias do Nordeste

BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM/ESTADÃO CONTEÚDO - 18.10.2019

Novas manchas de óleo foram encontradas em praias do litoral sul do Rio Grande do Norte. De acordo com o Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente do Rio Grande do Norte (Idema), os pontos mais críticos foram as praias de Búzios e Tabatinga.

Leia também: Mancha de óleo: Exército e Marinha ignoram recomendação de proteção

Também foram detectados vestígios de óleo nas Praias do Amor e do Giz, ambas em Tibau do Sul; em Camurupim, no município de Nísia Floresta; e em Pirangi do Norte, em Parnamirim. Ainda segundo o Idema, a Organização não Governamental (ONG) Oceânica afirma ter identificado, durante mergulhos na área dos Parrachos, em Pirangi do Norte, "pequenas manchas flutuantes" de óleo.

Nota divulgada pelo Grupo de Avaliação e Acompanhamento (GAA) do governo federal informou que foram mobilizadas equipes para atuar na limpeza de oito praias, onde foi observado o reaparecimento de óleo.

Veja mais: A Batalha anônima para remover o óleo em Pernambuco

As praias estão localizadas em cinco estados da região do nordeste, sendo elas: Via Costeira e Búzios-RN, Conceição e Itapuama-PE, Japaratinga e Piaçabuçu-AL, Abaís-SE, Morro de São Paulo e Moreré-BA. As equipes de limpeza prontamente combateram as manchas de óleo nesses locais. 

Em Moreré-BA foi observado presença de manchas e, em Japaratinga, foram visualizadas apenas pelotas. Ambas as praias estão em processo de limpeza.

Equipes de limpeza atuaram no manguezal de Mambucaba-PE com um total de 30 militares da Marinha, sendo 3 mergulhadores, e 50 do Exercíto. As vistorias por navios, o monitoramento aéreo e as ações de limpeza irão continuar até o encerramento das reincidências desse óleo nas praias nordestinas. 

Nesta segunda-feira, foram empregados 8 navios e 80 viaturas da Marinha, totalizando mais de 2 mil militares, 6 aeronaves, sendo uma da Marinha, 2 helicópteros da Força Aérea Brasileira, 2 helicópteros do Ibama e 1 helicóptero da Petrobras.

O óleo atingiu a região do Nordeste desde 2 de setembro. As causas do vazamento ainda são desconhecidas. Até agora foram afetadas 254 localidades, em 92 cidades da região.

MPT cria grupo para apurar impactos

O Ministério Público do Trabalho informa que o procurador-geral, Alberto Balazeiro, instituiu nesta segunda-feira (28) um grupo de trabalho “para apurar os impactos na saúde e na economia de trabalhadores afetados pelo vazamento de óleo no litoral brasileiro”. O grupo ficará sob a coordenação da procuradora Flávia Bauler.