Oposição quer convocar Moro para explicar mensagens vazadas

Parlamentares estudam requerimentos para convocar ida do ministro ao plenário da Câmara e analisam a criação de uma CPI para investigar o caso

Convocação deve ser aprovada em duas instâncias

Convocação deve ser aprovada em duas instâncias

Fátima Meira/Futura Press/Folhapress - 8.5.2019

Deputados de oposição planejam apresentar requerimentos para convocar o ministro da Justiça, Sergio Moro, para que ele preste explicações sobre o suposto conteúdo de mensagens trocadas por ele, quando ainda era juiz federal, e por integrantes do Ministério Público Federal, como o procurador da República Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, divulgado pelo site The Intercept Brasil.

De acordo com o deputado Ivan Valente (PSOL-SP), um dos requerimentos será para convocar Moro a prestar esclarecimentos ao plenário da Câmara e outro para que ele compareça à CCJ (Comissão de Constituição e Justiça). Para que o ministro seja convocado, no entanto, os pedidos devem ser aprovados nas duas instâncias.

A Polícia Federal instaurou há cerca de um mês um inquérito para investigar ataques feitos por hackers aos celulares de procuradores da República que atuam nas forças-tarefa da Lava Jato em Curitiba, no Rio e em São Paulo. Há quatro dias, outro inquérito foi aberto para apurar ataques ao celular de Moro.

O líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (RS), afirmou que os fatos divulgados "demonstram de maneira inequívoca uma relação de promiscuidade que ultrapassa todos os limites éticos, legais que envolvem e definem a relação de integrantes do poder judiciário e integrantes do ministério público".

Após vazamentos de conversas, clima é de cautela e reuniões em Brasília

Para o petista, as conversas revelam que o processo de condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi articulado para impedi-lo de se candidatar novamente à Presidência da República.

Segundo Pimenta, está em análise também a criação de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar o caso, mas uma decisão só será tomada após uma reunião dos parlamentares da oposição na tarde desta segunda-feira (10).