Brasil PF faz operação que investiga pagamentos indevidos a políticos

PF faz operação que investiga pagamentos indevidos a políticos

Agentes da Polícia Federal estão nas ruas desde cedo e cumprem mandados de busca e apreensão em São Paulo, Goiânia e Fortaleza

PF faz operação que investiga pagamentos indevidos a políticos

Agentes cumpriram mandados em quatro Estados

Agentes cumpriram mandados em quatro Estados

Aloisio Mauricio/Fotoaerena/Estadão Conteúdo

A Polícia Federal cumpre nesta terça-feira (10), dez mandados de busca e apreensão autorizados pelo ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal), em quatro Estados (SP, CE, GO e MG), como parte da operação Tira-Teima, que apura um esquema de pagamentos de vantagens indevidas de um grupo empresarial a políticos.

"A finalidade das medidas é o buscar documentos e outros elementos de aprofundamento da investigação, considerando a notícia de doações de campanha abalizadas através de contratos fictícios", informou a PF em nota, sem dar detalhes sobre os alvos dos mandados ou os nomes dos investigados na operação.

Segundo o MPF (Ministério Público Federal), oito pessoas e duas empresas foram alvos da ação desta terça-feira. Alguns dos mandados foram cumpridos em São Paulo, Goiânia e Fortaleza.

A Polícia Federal informou que as ações envolveram 40 agentes. O MPF disse que um dos casos é desdobramento da Operação Lava Jato, mas não menciona quem são os investigados. 

Eunício Oliveira

Um dos inquéritos que originou a operação de hoje investiga, entre outras pessoas, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE). Apesar disso, o senador não foi alvo direto da ação policial desta manhã.

A operação, batizada de Tira-Teima, se baseia na delação premiada do ex-diretor da empresa Hypermarcas --atual Hypera Pharma -- Nelson José de Mello, acrescentou a fonte. Eunício é alvo de inquérito no Supremo por suspeita de corrupção e lavagem de dinheiro e é no âmbito desta investigação que se dá a Tira-Teima, acrescentou a fonte.

Em nota, a Hypera afirmou que o escritório da empresa em São Paulo era alvo de mandados de busca e apreensão com o objetivo de "colher documentos relacionados à colaboração do ex-diretor de Relações Institucionais da Companhia, Nelson Mello".

"A companhia reitera que não é alvo de nenhum procedimento investigativo, nem se beneficiou de quaisquer atos praticados isoladamente pelo ex-executivo, conforme já relatado ao longo do ano de 2016 em vários comunicados", acrescentou a Hypera no comunicado.

As ações da companhia recuavam 4,25% às 10h45, enquanto o principal índice da bolsa paulista Ibovespa subia 0,16%.

Senador diz desconhecer operação

Eunício Oliveira evitou comentar nesta terça-feira a Operação Tira-Teima. Na cerimônia na qual recebeu a medalha da Ordem do Mérito Judiciário Militar, Eunício foi questionado sobre as denúncias envolvendo a operação e limitou-se a responder: "Que denúncia? Não sei de nada". Em seguida, saiu em meio ao tumulto e assédio da imprensa, sem esperar o final da cerimônia.

Durante o evento, o senador demonstrou preocupação, consultando o celular todo o tempo. A assessoria de Eunício disse que, quando tiver detalhes sobre a operação da PF, deverá comentar.