Brasil PGR denuncia membros do PP por organização criminosa na Petrobras

PGR denuncia membros do PP por organização criminosa na Petrobras

"Quadrilhão" foi fatiado no fim do ano passado para facilitar investigações

  • Brasil | Do R7

Ação corre em segredo de justiça

Ação corre em segredo de justiça

Marcelo Camargo/Agência Brasil

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou ao STF (Supremo Tribunal Federal) a ação que apura a formação de uma organização criminosa por políticos ligados ao PP (Partido Progressista) para estruturar o esquema de corrupção revelado pela Operação Lava Jato.

Segundo a PGR, o conteúdo da denúncia não foi revelado porque a ação corre em segredo de justiça.

Em março de 2015, na primeira "lista de Janot", a PGR pediu um inquérito para investigar a organização dos políticos. Até então o esquema era restrito à Petrobras.

Procuradoria: Delcídio mentiu e quer cortar benefícios da delação

O chamado "quadrilhão" foi fatiado em outubro do ano passado para facilitar as investigações, que agora são divididas por partidos.

Nessa linha de investigação, a PGR suspeita de que houve organização criminosa e comando político com objetivo de obter recursos de propina e caixa dois.

PT e PP são alvos de investigação no TSE a partir de suspeitas de que foram financiados por recursos provenientes da Petrobrás, com pagamento de propina travestido de doação, conforme acusações do ex-diretor de abastecimento da estatal Paulo Roberto Costa e do doleiro Alberto Youssef. Além das duas legendas, o PMDB também é alvo.

Os processos não são sigilosos, mas as peças que os compõem são de acesso restrito no TSE. Relatora dos casos do PT e do PP, a ministra Rosa Weber atendeu ao pedido do Estado para ter acesso aos autos. O ministro Luiz Fux, relator do processo contra PMDB, não havia se pronunciado sobre a solicitação da reportagem até a conclusão desta matéria.

Últimas