Brasil Polícia Federal faz buscas no endereço do senador Ciro Nogueira

Polícia Federal faz buscas no endereço do senador Ciro Nogueira

Operação Compensação foi deflagrada na manhã desta sexta-feira (22) em decorrência de inquérito do STF

Polícia Federal faz buscas em endereço do senador Ciro Nogueira

PF faz buscas em endereços de Ciro Nogueira

PF faz buscas em endereços de Ciro Nogueira

Moreira Mariz/14.12.2016/Agência Senado

A PF (Polícia Federal) deflagrou a Operação Compensação, na manhã desta sexta-feira (22), em que o principal investigado é o senador Ciro Nogueira (PP-PI). A operação, que apura crimes de corrupção passiva e de lavagem de dinheiro, é decorrente de inquérito no STF (Supremo Tribunal Federal) e foi autorizada pela ministra Rosa Weber.

Ao R7, o advogado criminalista Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, declarou que o senador sempre se colocou à disposição da Justiça para prestar os esclarecimentos. 

"A defesa do Senador Ciro Nogueira vem denunciar, mais uma vez, o direito penal do espetáculo. O que está sendo apreendido nesta busca e apreensão é o que foi recentemente restituído pelo Supremo Tribunal em virtude de outra operação que não resultou em Ação Penal , o Supremo rejeitou a Denúncia, pois baseada tão somente na palavra de outro delator. Tal constrangimento poderia ser evitado com a simples intimação do Senador para prestar esclarecimento pois , é evidente, este sempre se colocou à disposição do Poder Judiciário."

De acordo com a PF, cerca de 30 policiais federais cumprem sete mandados de busca e apreensão nas cidades de Teresina (PI), Brasília (DF) e São Paulo (SP), além de intimações para fins de depoimentos dos envolvidos.

A investigação teve como origem depoimentos prestados por colaboradores do Grupo J&F, dono da JBS, que afirmaram terem repassado cerca de R$ 43 milhões ao Partido Progressista, por meio de pagamentos em espécie e doações oficiais.

Ainda segundo a Polícia Federal, Ciro Nogueira teria intermediado o repasse do dinheiro em troca de apoio político do partido na campanha eleitoral para a eleição presidencial de 2014.

De acordo com a investigação, o caso está relacionado aos repasses da empresa para partidos e políticos com a finalidade de conseguir apoio financeiro para a candidatura de Dilma Rousseff (PT).

Por meio de nota nesta manhã, o MPF (Ministério Público Federal) informou que "em depoimentos, os colaboradores narraram a compra de apoio político a partidos por meio do político". A PGR (Procuradoria-Geral da República) explicou ainda que, de acordo com "investigações preliminares, parte da propina paga ao partido do parlamentar foi viabilizada por meio de doações oficiais – simuladas - e outra parte no valor de R$ 5 milhões foi paga em espécie por meio de uma pessoa ligada ao senador. No total, teriam sido pagos R$ 42 milhões em propina."