Brasil Polícia usa bombas de gás para dispersar protesto no Congresso Nacional

Polícia usa bombas de gás para dispersar protesto no Congresso Nacional

Segundo estimativas da polícia, mais de 30 mil pessoas participam do protesto na Capital

  • Brasil | Da Agência Brasil

Um grupo de manifestantes tentou furar o bloqueio da polícia em frente ao Congresso Nacional e os policiais jogaram bombas de gás lacrimogêneo para dispersar as pessoas. Houve corre-corre no momento do tumulto. Muitas pessoas tentando fugir da fumaça do gás e com dificuldade de enxergar.

Mais de 30 mil pessoas participam do protesto, segundo estimativa da Polícia Militar. Após a ação policial, o grupo se deslocou para o Itamaraty onde invadiu o prédio e quebrou vidros, além de atear fogo.

Mais cedo, uma pessoa foi detida por ter furado o cordão de isolamento e entrado no prédio do Congresso Nacional, segundo a Polícia Legislativa.

Leia mais notícias no R7

O presidente do Congresso Nacional, Renan Calheiros (PMDB-AL), se reuniu com três estudantes da Universidade de Brasília (UnB) para tentar mediar um encontro com lideranças do movimento. Porém, não houve nenhuma definição.

— O importante é deixar uma vez mais claro que o Parlamento continua aberto ao povo. E o Parlamento terá a humildade e a compreensão que a política tem que ser reinventar sempre. A maior demonstração que o Parlamento pode dar como Casa do povo é estabelecer nova agenda em função das manifestações.

No início da noite, o presidente em exercício da Câmara dos Deputados, deputado André Vargas (PT-PR), disse que uma das dificuldades em conversar com os manifestantes é a falta de uma liderança.

— Havendo possibilidade de uma reunião com líderes vamos fazer. Não estamos encontrando ninguém com essa representatividade.

O protesto, organizado por meio das redes sociais, é contra os gastos públicos com a Copa das Confederações, defende mais recursos para educação e saúde e contra a PEC 37, que limita o poder de investigação do Ministério Público. O movimento não tem lideranças única e é apartidário, segundo os participantes.

Últimas