Presidente do IBGE pede demissão do cargo

Susana Guerra alegou motivos pessoais e de família. IBGE é afetado por cortes bilionários no orçamento para realização do Censo

  • Brasil | Do R7

Susana Guerra foi a segunda presidente mulher na história do IBGE

Susana Guerra foi a segunda presidente mulher na história do IBGE

FÁBIO MOTTA / ESTADÃO - 22/02/2019

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) anunciou nesta sexta-feira (26) que a presidente Susana Cordeiro Guerra pediu exoneração do cargo, por motivos pessoais e de família. Ela continuará na função até a transição para o novo presidente.

Guerra pediu demissão em meio ao corte bilionário de repasses ao IBGE para a realização do Censo Demográfico, que foi aprovado nesta quinta-feira (25), na votação pelo Congresso Nacional do Orçamento de 2021. Com a sanção do texto, as verbas do órgão para a realização da pesquisa foram reduzidas de R$ 2 bilhões para R$ 71 milhões.

O IBGE protestou contra a medida, em nota oficial, e afirmou que o corte pode inviabilizar a realização da pesquisa. Inicialmente previsto para 2020, o Censo foi adiado devido ao agravamento da pandemia do novo coronavírus, mas já enfrenta resistência de servidores que solicitam uma nova prorrogação da pesquisa.

Nesta segunda-feira (22), Susana Guerra também apelou ao Congresso que restaurasse o orçamento, em artigo publicado no jornal o Globo. No texto, ela ainda afirmou que o Censo seria importante para o combate à pandemia de covid-19, ao coletar dados sobre a população que poderiam ser úteis para vacinação contra a doença e o período.  

"A defesa do Censo Demográfico é crucial não apenas para o pacto federativo, mas também para a geração de dados que permitam solucionar os enormes desafios impostos ao país. Diante do exposto, defendemos o cumprimento da nossa missão enquanto gestores de um instituto de estatística, que tem como uma das principais atribuições a realização do Censo Demográfico", escreveu a presidente.

Histórico

Antes de assumir a presidência do IBGE, Susana atuou como Economista do Banco Mundial, onde trabalhou com pesquisa e avaliação de impacto de projetos em mais de 30 países na África, América Latina e Ásia.

Ela já havia trabalhado com o Banco Mundial entre 2003 a 2005, conduzindo pesquisas de campo e análises sobre o impacto da descentralização fiscal nos indicadores de saúde e educação na Região do Leste Asiático.

De 2007 a 2009, Susana trabalhou no setor privado, em uma empresa de consultoria com foco em educação, sediada em Nova Iorque.

Ela é PhD em Ciência Política pelo Massachusetts Institute of Technology, mestre em Administração Pública e Desenvolvimento Internacional pela Harvard Kennedy School e graduada em Estudos Sociais pela Harvard College. A economista foi a segunda mulher da história a presidir o IBGE e a pessoa mais jovem a assumir o cargo, aos 37 anos. 

Últimas