Queiroz estava há cerca de um ano em casa do advogado de Bolsonaro

O ex-assessor vinha sendo monitorado por investigadores do Gaeco da Polícia Civil de São Paulo há meses; ele não resistiu à prisão

Queiroz foi preso em Atibaia (SP)

Queiroz foi preso em Atibaia (SP)

Sebastião Moreira/EFE - 18.06.2020

Ex-assessor de gabinete do senador Flávio Bolsonaro quando este era deputado estadual, Fabrício Queiroz estava há mais de um ano em um imóvel pertencente ao advogado da família do senador. De acordo com a Polícia Civil do Rio de Janeiro, a casa em Atibaia, cidade do interior de São Paulo, é do advogado Frederick Wassef, que representa inclusive o presidente da República, Jair Bolsonaro.

Segundo confirmou o delegado da Polícia Civil de São Paulo Osvaldo Nico Gonçalves, os caseiros do imóvel afirmaram, durante a operação, que o ex-assessor estaria na residência há cerca de um ano.

Nico afirmou ainda que Queiroz não resistiu à prisão, também não passou mal, como chegou a ser divulgado. "Ele me falou que tem um câncer, mas não sei se é verdade. E que vem se tratando disso."

Queiroz teve um câncer no intestino, que foi retirado em 2019, mas ele teria voltado a se manifestar. O ex-assessor de Flávio Bolsonaro fez o tratamento no hospital Albert Einstein, na capital paulista.

'Prisão tranquila'

A prisão de Queiroz foi "tranquila", segundo o delegado Nico Gonçalves, da Divisão de Capturas da Polícia Civil. O mandado cumprido, segundo a Polícia Civil de São Paulo, foi de prisão preventiva, determinada pela Justiça do Rio. Queiroz teve a prisão lavrada em São Paulo, mas será transferido até o fim desta manhã para o Rio, onde será ouvido. Também foi expedido um mandado de prisão contra a ex-mulher de Queiroz, Márcia Aguiar.

O ex-assessor vinha sendo monitorado por investigadores do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) da Polícia Civil de São Paulo há meses, segundo policiais civis. Após sua detenção, ele fez exame de corpo de delito no Instituto Médico-Legal, no centro de São Paulo, e levado para o Palácio da Polícia, onde assinou documentos da prisão.