Brasil Saiba quando um nazista toca seu apito de cão. E denuncie

Saiba quando um nazista toca seu apito de cão. E denuncie

Os neonazistas possuem vários sinais velados para marcar presença e fortalecer os laços com sua matilha 

  • Brasil | Marco Antonio Araújo, do R7

Adrilles Jorge fez gesto associado ao nazismo

Adrilles Jorge fez gesto associado ao nazismo

Redes sociais/Reprodução

Quase todo mundo já ouviu falar dos apitos que emitem sons que apenas cães conseguem ouvir. São chamados, em inglês, de dog whistle. O tema viralizou nesta quarta-feira (9) por causa da demissão do ex-BBB Adrilles, que era comentarista da Jovem Pan.

Que apito ele tocou e gerou essa polêmica toda? No fim do programa, que discutia o caso de Monark, o rapaz fez uma suposta saudação de cumprimento dos nazistas, levantando a mão esquerda espalmada na altura do ombro, um gesto parecido com um tchau sem movimento. Foi o que o espertinho alegou: só estava cumprimentando a audiência. Não colou. Perdeu.

Esse tipo de sinal é um dos muitos que os neonazistas adotam para marcar presença e fortalecer os laços com os cães de sua matilha. Quem sabe que beber leite em copos transparentes de forma ostensiva é um apito para se comunicar com supremacistas brancos, assim que vê a cena identifica estar diante de um integrante de seu bando.

Eles se comunicam assim, de forma velada, porque sabem que estão cometendo um crime segundo as leis de praticamente todos os países que não toleram esses filhotes de Hitler. Se julgam espertos, maneiros. Mas são apenas covardes. Se escondem feito crianças más.

Esse fenômeno dos apitos de cães está ganhando espaço nas redes sociais. É lá que vive e se reproduz esse ideário de intolerância, que prega a morte e o genocídio.

É coisa séria. Não é brincadeira. São pessoas perigosas e querem se passar por vítimas da perseguição de "gente louca". Não tem louco nessa história. O que existe é uma luta entre os que defendem a democracia que floresceu após a 2ª Guerra e os inimigos da civilização, amantes das armas e da morte.

Fique atento.

Últimas