Brasil Temer deve anunciar Ministro da Segurança hoje

Temer deve anunciar Ministro da Segurança hoje

Raul Jungmann deve assumir pasta e general da reserva Joaquim Silva e Luna deve substituir Jungmann no comando do Ministério da Defesa

Ministério da Segurança

Deputado disse que existem mais de um nome disponível para ocupar o Ministério

Deputado disse que existem mais de um nome disponível para ocupar o Ministério

Adriano Machado/Reuters - 23.02.2018

O novo Ministério Extraordinário da Segurança Pública será criado por meio de medida provisória a ser publicada no Diário Oficial da União da próxima terça-feira, 27, "provavelmente". O anúncio foi feito neste domingo, 25, pelo vice-líder do governo na Câmara, deputado Darcísio Perondi (MDB-RS), que participou de reunião neste domingo no Palácio do Jaburu com o presidente Michel Temer e ministros.

Segundo Perondi, o texto da MP foi fechado nesta reunião e o objetivo da nova pasta é promover a interação da segurança pública da União com todos os Estados. "Esse ministério será importante para combater a bandidagem", disse Perondi ao deixar o Jaburu.

O deputado informou que a criação do ministério será anunciada nesta segunda-feira (26) e ele terá uma "estrutura própria, enxuta e bem operacional". Questionado sobre o nome do titular da nova pasta, Perondi disse que ainda não tem o nome do ministro. "Existem homens qualificados, preparados, estudiosos e precisa escolher um. São nomes técnicos e bons. Pior se tivesse uma opção só", afirmou. "Uma atitude de cada vez. Amanhã sai a criação do ministério", completou.

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, o ministro Raul Jungmann deve assumir a pasta. O ministério da Defesa, chefiado por Jungmann, ficaria sob responsabilidade do general da reserva Joaquim Silva e Luna. 

Perondi explicou ainda que o ministério será extraordinário enquanto durar o mandato do presidente Temer e que o próximo presidente da República poderá torná-lo efetivo.

Ele disse ainda que os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), "cooperam e vão continuar cooperando nessa decisão de integrar segurança pública definitivamente". "É óbvio que vão continuar cooperando", reforçou.