Brasil 'Temos dois anos para reduzir e eliminar impostos', diz Guedes

'Temos dois anos para reduzir e eliminar impostos', diz Guedes

Ministro avalia que o trabalho que o governo pretende fazer na área tributária tem o objetivo de tornar o Brasil mais competitivo

  • Brasil

Mudanças dependem de acordo entre Mercosul e UE

Mudanças dependem de acordo entre Mercosul e UE

Adriano Machado/Reuters - 3.4.2019

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quinta-feira (4) que o governo tem dois anos para "simplificar, eliminar e reduzir impostos", em referência ao período previsto para que o acordo entre Mercosul e União Europeia comece a entrar em vigor.

Antes de começar de fato, o acordo precisa ser aprovado pelos congressos dos países que participam dos blocos. Guedes faz apresentação na edição deste ano da Expert, evento da XP Investimentos, em São Paulo.

Grupo faz avanço importante para elevar competitividade, diz Guedes

Segundo Guedes, o trabalho que o governo pretende fazer na área tributária tem o objetivo de tornar o país mais competitivo, em condições de disputar no mercado internacional e para que o acordo seja positivo para o Brasil.

Enquanto falava sobre a falta de abertura do Brasil para o comércio internacional, Guedes criticou a aliança do Mercosul com a Venezuela, que, na visão, era muito mais uma aliança política e ideológica do que uma integração econômica. "Não é uma organização econômica interessante para nós", disse o ministro, classificando a situação como "obsoleta".

O ministro criticou a maneira como o MDIC (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio) estava funcionando na relação com o setor privado, com lideranças industriais obsoletas que travavam a abertura.

"Não teria sido possível (o acordo) se não tivéssemos juntado os ministérios", disse. "Por que a abertura comercial não foi feita antes? Parte por ideologia e parte por lobby", disse.

O acordo com a União Europeia, na visão de Guedes, vai na linha do plano do governo de abrir o País de maneira gradual. "A abertura gradual da economia está assegurada", disse.

O ministro disse ainda que, resolvendo a questão fiscal do Brasil, o País caminhará para a redução dos juros. "Os juros devem descer lá na frente", disse, em referência às expectativas do mercado.

Últimas