Brasília Câmara aprova urgência de projeto que facilita liberação de agrotóxicos

Câmara aprova urgência de projeto que facilita liberação de agrotóxicos

Matéria, apelidada de 'pacote do veneno', torna menos rígido o controle de pesticidas retira poder da Anvisa e do Ibama

  • Brasília | Sarah Teófilo, do R7, em Brasília

Câmara analisa projeto que tira da Anvisa e do Ibama poder de análise de agrotóxicos

Câmara analisa projeto que tira da Anvisa e do Ibama poder de análise de agrotóxicos

A8SE

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (9) a urgência na tramitação do projeto de lei que facilita a liberação de agrotóxicos e flexibiliza o uso dos pesticidas no Brasil. Com isso, o texto passa a tramitar com mais celeridade. A matéria está na Casa desde 2002 e, de lá para cá, recebeu emendas e afrouxou ainda mais as regras relativas aos agrotóxicos. A urgência do projeto, apelidado por ambientalistas e parlamentares contrários de "pacote do veneno", foi aprovada por 327 votos favoráveis e 71 contra. 

O projeto facilita o registro de substâncias cancerígenas e reduz o poder de fiscalização de órgãos de controle. Atualmente, o registro de um agrotóxico passa pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Com o texto proposto, agrotóxicos não precisarão passar pela Anvisa e pelo Ibama para serem liberados.

A matéria agora já está em discussão no plenário. A oposição é completamente contrária ao texto, enquanto o governo orienta pela aprovação. A líder do PSOL na Câmara, Sâmia Bomfim (SP), ressaltou que o projeto "autoriza que use venenos que são banidos em vários países do mundo".

"Não bastasse o Brasil ser recordista no consumo de agrotóxico, o governo que ampliar ainda mais em consonância com a bancada ruralista, que fez grande pressão para esse projeto ir adiante", afirmou, criticando o fato de a liberação dos agrotóxicos ficar concentrada no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

O deputado Alexis Fonteyne (Novo-SP), por outro lado, frisou a necessidade de que haja menos burocracia na aprovação dos agrotóxicos. "Precisamos desenvolver novas moléculas menos perigosas e que podem ajudar muito a todos nós. A necessidade dos defensivos agrícolas é inquestionável", afirmou.

Vice-líder da oposição, Perpétua Almeida (PCdoB-AC) chamou de inaceitável que a Câmara aprove a urgência da matéria. "A Anvisa que autoriza medicação para a saúde dos brasileiros, a vacina... Este plenário quer deixar a Anvisa fora da autorização da fiscalização da saúde dos alimentos que nós vamos usar? É urgente mesmo esse projeto que tira da Anvisa a fiscalização e autorização dos agrotóxicos que vão na nossa alimentação?", questionou.

Últimas