Brasília Câmara dos Deputados faz sessão em homenagem aos 45 anos da Igreja Universal

Câmara dos Deputados faz sessão em homenagem aos 45 anos da Igreja Universal

Bispos e deputados falaram sobre as dificuldades enfrentadas ao longo dos anos e exaltaram a importância da fé 

  • Brasília | Do R7

Bispos da Igreja Universal e deputados em sessão solene na Câmara dos Deputados

Bispos da Igreja Universal e deputados em sessão solene na Câmara dos Deputados

Elaine Menke/Câmara dos Deputados

A Câmara dos Deputados fez nesta segunda-feira (11) uma sessão solene em homenagem ao aniversário de 45 anos da Igreja Universal do Reino de Deus. O plenário da Casa ficou repleto de fiéis, e a mesa diretora foi ocupada por parlamentares e bispos da igreja, que falaram sobre a importância da Universal, as dificuldades vivenciadas ao longo dos anos e o crescimento da fé evangélica no país e no mundo.

A sessão foi presidida pela 4ª secretária da mesa diretora da Câmara, Rosângela Gomes (Republicanos-RJ), que, após um vídeo institucional da igreja, leu um pronunciamento enviado pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL). O parlamentar afirmou que hoje o Brasil vê um novo panorama religioso, com grande crescimento dos evangélicos, que atualmente são mais de 30% dos brasileiros. Lira frisou que esse cenário ocorre graças à contribuição decisiva da Universal (veja abaixo o vídeo com a íntegra da sessão solene).

"Poucos seguidores da década de 70 transformaram-se em milhões. A igreja tornou-se a maior representante do movimento neopentecostal do Brasil, difundindo espiritualidade em todos os cantos do Brasil. Toda a sociedade se beneficia das ações sociais da Igreja Universal", disse.

Autor do requerimento para a realização da sessão, o deputado Aroldo Martins (Republicanos-PR) ressaltou que a história da Universal integra também a história de cada um dos fiéis. "Quanto mais tempo na igreja, mais ainda essa simbiose entre a história da igreja e de cada um de nós se entrelaça", afirmou.

O parlamentar lembrou que ficou fora do Brasil entre 1990 e 2015 e que, quando retornou, a igreja era outra. "Foram anos de muito crescimento. Os números mostram isso: a Universal está presente em 142 países, e continua crescendo. Hoje 75% do planeta tem a presença da Igreja Universal. Vamos continuar trabalhando", afirmou.

A deputada Rosângela Gomes lembrou sua história de superação, afirmando que Deus e a igreja transformaram a sua vida. "A igreja nos deu tudo que somos hoje. A nossa Igreja Universal é tudo. Falo isso como quem morou na rua, filha de pai e mãe alcoólatras, que tentou suicídio, que tinha tudo para dar errado. Deus transformou a minha história, porque eu aprendi na igreja que tudo é possível para aquele que crê", frisou.

O bispo Wagner Negrão também subiu à tribuna da Câmara e ressaltou que a Igreja Universal "não nasceu para ser uma igreja, mas para ser uma escola da fé".

"Para nos ensinar a chegarmos a Deus. Porque em Deus temos resposta a todos os problemas da vida. A Igreja Universal nasceu com esse objetivo e incansavelmente vem cumprindo esse objetivo para alcançar mais pessoas e ajudar essas pessoas a como chegar a Deus", disse.

O bispo Eduardo Bravo, presidente da União Nacional das Igrejas e Pastores Evangélicos (Unigrejas), frisou no plenário da Câmara como a igreja cresceu. Ao R7, o bispo falou sobre a importância da sessão solene (veja vídeo abaixo).

É muito importante lembrar da trajetória da igreja nesses 45 anos. Antes com o pastor Edir Macedo e pouquíssimas pessoas, e hoje presente em 142 países do mundo. A Bíblia diz que a fama do senhor Jesus se espalhou, e foi o que aconteceu com a Igreja Universal do Reino de Deus. Essa fé que quer ver resultado na vida das pessoas se espalhou no mundo inteiro

Bispo Eduardo Bravo, presidente da União Nacional das Igrejas e Pastores Evangélicos – Unigrejas

O deputado Julio Cesar Ribeiro (Republicanos-DF) também discursou, afirmando que conquistou paz e alegria em sua vida dentro da igreja. "A Igreja Universal foi o lugar em que eu conquistei tudo, e para mim é motivo de gratidão. Se não fosse a igreja, eu nem sei se estaria vivo. A igreja me recebeu de braços abertos, e eu tenho paz, alegria", explicou.

O bispo Alessandro Paschoal, responsável pelo grupo Arimateia – idealizado pela Universal em 2020 para conscientizar as pessoas sobre seus direitos e, com isso, fazer com que elas elejam pessoas de boa índole e comprometidas com o país –, lembrou que a Igreja Universal nasceu em meio a muita perseguição, "com acusações horríveis". Ele afirmou que hoje, no entanto, a igreja possui representantes dentro do Parlamento.

"Temos hoje homens comprometidos com a família. Esse ano é um ano de eleições. Mais do que nunca, temos responsabilidade e compromisso para mantermos guardiões nessa Casa. Pessoas que vão zelar pelas leis, que vão trabalhar como sentinelas pela defesa da democracia e liberdade de culto", disse.

História

A Igreja Universal foi inaugurada em 9 de julho de 1977, com a presença de 225 pessoas, no antigo galpão de uma funerária na zona norte do Rio de Janeiro. Nos dias seguintes à inauguração, os cultos já eram frequentados por mais de 400 pessoas diariamente. Dez anos depois, em 1987, a Igreja Universal pregava a palavra de Deus em 356 templos em 18 estados do Brasil. Na década de 1990, todos os estados já contavam com a presença da igreja.

R7/Arte

Em 1986, a Universal inaugurou o seu primeiro templo no exterior – em Nova York, nos Estados Unidos –, e, desde 2005, com a abertura de uma unidade na Nova Zelândia, na Oceania, a Igreja tem representantes em todos os cinco continentes habitados. Atualmente, a Universal está presente em 142 países, o que corresponde a mais de 70% das 195 nações do mundo.

Nesses anos, a igreja contribuiu com ajuda humanitária a diversos segmentos da sociedade, como auxílio a pessoas em situação de rua, analfabetos, detentos e seus familiares e crianças. Apenas em 2022, os 17 programas sociais mantidos pela instituição já socorreram 4,5 milhões de pessoas no Brasil e 1,1 milhão de pessoas no exterior.

Últimas