Brasília Comissão do Senado discute fiscalização da inserção de propaganda eleitoral

Comissão do Senado discute fiscalização da inserção de propaganda eleitoral

Grupo de senadores convocou audiência para ouvir blogueiros, integrantes de campanhas e influenciadores

  • Brasília | Renato Souza, do R7, em Brasília

Fábio Wajngarten, ex-chefe da Secretaria Especial de Comunicação Social do Governo Federal

Fábio Wajngarten, ex-chefe da Secretaria Especial de Comunicação Social do Governo Federal

Reprodução/TV Senado

A  Comissão de Transparência, Fiscalização e Controle do Senado realiza nesta quarta-feira (30) audiência pública para discutir a fiscalização da propaganda eleitoral no país. O encontro foi convocado após suspeitas de irregularidades e eventuais abusos do Poder Judiciário em relação ao tema durante o pleito deste ano.

Durante a audiência, foi ouvido o ex-chefe da Secretaria Especial de Comunicação Social do Governo Federal e coordenador da comunicação da campanha do presidente Jair Bolsonaro, Fábio Wajngarten. Ele afirmou que a falta de inserções da propaganda eleitoral em emissoras de rádio gerou perdas milionárias à campanha de Bolsonaro.

"A campanha do presidente Bolsonaro não teve exibidas 1.253 mil inserções", afirmou. "A campanha teve R$ 36 milhões, R$ 38 milhões não veiculados", disse se referindo ao custo para produzir o material que, segundo Wajngarten, não foi ao ar.

Entre os convidados para participar da audiência estão integrantes das campanhas eleitorais, blogueiros e influenciadores que tiveram as contas nas redes sociais derrubadas ou restritas por decisões da Justiça Eleitoral. Um dos convidados é o argentino Fernando Cerimedo, que fez uma live questionando o resultado das eleições e teve o canal dele em uma plataforma de vídeos restrito no Brasil.

"Não fui ao Brasil para a audiência por conta de questões de segurança e jurídica, que não são estáveis", disse ele, durante a sessão. O TSE entendeu que a live apresentou informações inverídicas sobre as urnas e decidiu suspender o acesso ao vídeo no Brasil.

Últimas