Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Deputado vai à Justiça contra repasses do Brasil a agência acusada de ligação com Hamas

Agência da ONU de assistência para os refugiados da Palestina é acusada por Israel de ter envolvimento nos ataques de 7/10

Brasília|Carlos Eduardo Bafutto, do R7, em Brasília

Deputado entrou na Justiça contra repasse para ONU
Deputado entrou na Justiça contra repasse para ONU Deputado entrou na Justiça contra repasse para ONU (Divulgação Câmara dos Deputados)

O deputado Kim Kataguiri (União-SP) pediu à Justiça a suspensão dos repasses do Brasil à Agência das Nações Unidas de Assistência e Obras para os Refugiados da Palestina no Oriente Próximo (UNRWA). O organismo internacional é a principal representação da ONU (Organização das Nações Unidas) na Faixa de Gaza e é acusado por Israel de ter envolvimento nos ataques do Hamas realizados em 7 de outubro.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse na quinta-feira (15) que o governo brasileiro fará um aporte para a agência, apesar de defender a investigação sobre infiltração do grupo terrorista. Ao R7, o Palácio do Planalto afirmou que não vai comentar o assunto. 

Em uma rede social, Kataguiri afirmou que a Constituição Federal impõe como princípios norteadores da administração pública, dentre outros, a legalidade e a moralidade. "O repasse de verbas públicas brasileiras para uma entidade acusada de envolvimento direto em atos terroristas, como é o caso da UNRWA, contraria frontalmente esses princípios," alegou. 

O deputado disse ainda que "Lula quer errar em nome do povo brasileiro e apoiar uma instituição escusa que vários países deixaram de apoiar por fortes indícios de envolvimento com o grupo terrorista".

Publicidade

O anúncio de Lula de uma nova doação à UNRWA provocou reações entre parlamentares e especialistas. O financiamento do governo brasileiro à organização ocorre no momento em que outros países decidiram cortar verbas destinadas às atividades da UNRWA depois que a agência foi acusada por Israel de colaborar com o grupo terrorista Hamas.

O presidente do Grupo Parlamentar Brasil-Israel no Congresso Nacional, senador Carlos Viana (Podemos-MG), criticou a decisão do governo federal, alegando que ela está fundamentada em referências equivocadas.

Publicidade

"O presidente tem áreas muito mais importantes para investir esse dinheiro no Brasil. Ele está prometendo recursos do contribuinte brasileiro para terroristas que usam essas doações para a construção de túneis, sequestro e estupro de pessoas, como o que aconteceu no dia 7 de outubro. Ao nosso ver, Lula está muito mal orientado e alinhando o Brasil a países pequenos na diplomacia", disse.

O presidente da Federação Israelita do Brasil, Marcos Knobel, também criticou a posição de Lula. "O presidente vai aumentar o pagamento a uma agência da ONU acusada de apoiar u grupo terrorista, quanto os países ocidentais e democráticos param de pagar. O Brasil vai na contramão, com ditaduras. O comportamento da diplomacia brasileira é lamentável na questão desse conflito", afirmou.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.