Brasília Energia e agronegócio são temas da viagem de Bolsonaro à Rússia

Energia e agronegócio são temas da viagem de Bolsonaro à Rússia

Principal evento no programa será encontro entre o líder brasileiro e o presidente Putin, previsto para ocorrer na quarta (16)

  • Brasília | Plínio Aguiar, do R7, em Brasília

Os presidentes Vladimir Putin (Rússia) e Jair Bolsonaro (Brasil)

Os presidentes Vladimir Putin (Rússia) e Jair Bolsonaro (Brasil)

Adriano Machado/Reuters

A viagem de três dias do presidente Jair Bolsonaro à Rússia, em meio às tensões e ao iminente ataque da tropa russa à Ucrânia, tem como objetivo discutir temas como energia, defesa, agronegócio, comércio e investimentos.

O principal evento no programa será o encontro entre Bolsonaro e Putin, previsto para ocorrer na quarta-feira (16). A agenda também inclui visita e oferenda de flores ao Túmulo do Soldado Desconhecido, reunião com o presidente da Câmara Baixa do Parlamento e encontro com empresários russos.

A visita de Bolsonaro é uma oportunidade para impulsionar objetivos estratégicos do Brasil na relação bilateral com a Rússia, tais como a ampliação e diversificação das trocas comerciais e fluxo de investimentos e cooperação em áreas como ciência, tecnologia, energia e defesa, segundo o Itamaraty.

A Rússia está entre os 15 maiores parceiros comerciais do Brasil. Em 2021, a parceria rendeu US$ 7,29 bilhões em negócios, ante os US$ 4,27 bilhões registrados em 2020 – o valor mais alto desde 2008. O comércio bilateral entre os países é concentrado na área de agronegócio (soja e carnes, do lado brasileiro, e fertilizantes, do russo).

No início de janeiro, a Petrobras anunciou ter chegado a um acordo com o grupo russo Acron para a venda da UFN3 (Unidade de Fertilizantes Nitrogenados), localizada em Três Lagoas, Mato Grosso do Sul. A assinatura do contrato depende de tramitação na unidade de governança da empresa estatal brasileira.

A UFN3 é uma unidade industrial de fertilizantes nitrogenados. A construção teve início em setembro de 2011, mas foi interrompida em dezembro de 2014. Após concluída, a unidade terá capacidade projetada de produção de ureia e amônia de 3.600 toneladas por dia e 2.200 toneladas por dia, respectivamente. A conclusão será de responsabilidade do comprador.

Inicialmente, estava prevista a participação da ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, na comitiva brasileira. A titular testou positivo para Covid-19 na semana passada, e por isso não seguirá em viagem.

A venda da UFN3 à iniciativa privada, comemorada por Bolsonaro, seria tratada durante a visita da comitiva brasileira à Rússia. Nas redes sociais, a ministra chegou a comentar o tema. “Temos reunião marcada com vários produtores de fertilizantes, e eles estão nessa lista. Teremos notícias lá de quando isso vai acontecer, quando eles chegam aqui”, contou.

Com a ausência de Tereza Cristina, não há representante do ministério na comitiva. Mesmo assim, a venda da unidade à iniciativa privada é um dos tópicos da viagem, informou o Itamaraty.

Bolsonaro e Putin

A primeira conversa oficial entre Bolsonaro e Putin ocorreu em junho de 2019, na Cúpula do G-20, em Osaka, no Japão. Em 14 de novembro do mesmo ano, o presidente russo visitou o brasileiro na Cúpula do Brics. Bolsonaro e Putin tiveram mais duas conversas oficiais por telefone. A primeira, em 15 de junho de 2020, e a segunda, em 6 de abril de 2021.

Últimas